Ebitda, o que é e como aplicá-lo

Por |2018-06-08T08:01:10+00:0018 de agosto de 2017|

Entre os termos com potencial de confundir o investidor está o Ebitda. Afinal, do que se trata essa sopa de letrinhas?

Neste artigo, você vai descobrir como o conceito pode ser decisivo na hora de avaliar o investimento em uma empresa de capital aberto.

E como informação é fundamental para reduzir riscos e elevar rentabilidades, siga a leitura e amplie seus conhecimentos.

Afinal, o que é Ebitda?

Ebitda

Earnings before interest, taxes, depreciation and amortization. Essa expressão em inglês é a origem da sigla Ebitda, que em português também pode ser conhecida como Lajida, a partir da sua tradução “Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização“.

Para investidores interessados em apostar em empresas de capital aberto, esse indicador é de grande importância. Afinal, o que ele revela, basicamente, é a realidade financeira da companhia e sua evolução ao longo dos anos.

Isso é possível porque o Ebitda mostra o quanto determinada empresa obtém de rentabilidade apenas com as suas atividades operacionais, não incluindo na conta outras receitas e despesas, como aplicações financeiras realizadas, empréstimos contratados, depreciação de ativos e impostos pagos.

Se você pensou que, através do Ebitda, é possível ter uma noção mais clara sobre a eficiência de uma empresa ao longo dos anos e também sobre a sua competitividade no mercado, acertou.

É por isso que o conceito é tão importante para definir por realizar ou não um investimento em determinada companhia. Também é válido para a escolha dessa empresa e não de outra, o que fica mais claro ao comparar o Ebitda de cada uma.

É preciso considerar, contudo, que o Ebitda não revela integralmente se a empresa em questão vem tendo lucro ou prejuízo em suas operações. Ele é tão somente um indicador da sua capacidade de gerar caixa.

Tendo essa limitação em mente, você estará melhor preparado para entender como calcular e aplicar o conceito.

Como o Ebitda é calculado

O cálculo do Ebitda depende da identificação dos seguintes fatores em uma empresa:

  • Lucro operacional
  • Depreciação
  • Amortização
  • Despesas financeiras líquidas.

Na prática, é preciso encontrar inicialmente o quanto a empresa está gerando de lucro ou prejuízo ao considerar apenas a área operacional. Ou seja, da receita líquida, você deve descontar os valores relativos ao custo das mercadorias vendidas, gastos com a operação e despesas financeiras líquidas.

Basicamente, o que será feito é incluir na conta os juros, a amortização e a depreciação antes do gasto com os impostos.

Parece complicado? Mas o investidor não necessariamente precisa se dedicar aos cálculos, pois empresas de capital aberto na bolsa de valores publicam o indicador em seus balanços.

A Petrobras, por exemplo, divulgou em maio os resultados consolidados do primeiro trimestre de 2017. No relatório, ela cita um aumento de 19% no Ebitda ajustado “em função das menores despesas operacionais e dos menores gastos com importações”.

O Ebitda do período foi de R$ 25,254 milhões, contra R$ 24,788 milhões no quarto trimestre de 2016 e R$ 21,193 no primeiro trimestre do ano passado.

Já o lucro líquido da companhia foi de R$ 4,449 milhões no primeiro trimestre de 2017, contra um prejuízo de R$ 1,246 milhões registrado no mesmo período de 2016. Ou seja, embora no início do ano passado o Ebitda tenha sido positivo, a companhia vivia um momento de prejuízo.

Veja só como é importante analisar todo o contexto de uma empresa antes de apostar seu dinheiro nela.

Isso não significa que o Ebitda não seja confiável, mas limitado. Ou seja, o seu resultado não mostra a efetiva realidade financeira da companhia analisada.

No caso da Petrobras, o resultado final foi positivo no primeiro trimestre deste ano por uma série de fatores, como a redução de 11% nas despesas financeiras líquidas.

Certamente, seria diferente, por exemplo, se a empresa tivesse contratado um alto valor em financiamentos para alavancar as suas operações, como é comum no mercado.

Como se dá a aplicação do Ebitda

Para facilitar o entendimento quanto à aplicação do Ebitda, um exemplo sempre vem em boa hora.

Confira na tabela abaixo o Demonstrativo dos Resultados do Exercício (DRE) de uma companhia hipotética e veja como o índice é formado.

Receita Operacional Bruta: 18.000,00
(-) Deduções da Receita Bruta: (2.250,00)
(=) Receita Operacional Líquida: 15.750,00
(-) Custo dos Produtos Vendidos: (9.000,00)
(=) Lucro Bruto: 6.750,00
(-) Despesas Operacionais: (2.250,00)
Despesas com Vendas e Administrativas: (1.800,00)
Resultado Financeiro (1.500,00)
(=) Lucro Operacional: 4.500,00

Agora que temos as informações para o cálculo do Ebitda, confira como ele é realizado

Receita Operacional Bruta: 18.000,00
(-) Deduções da Receita Bruta: (2.250,00)
(=) Receita Operacional Líquida: 15.750,00
(-) Custo dos Produtos Vendidos: (9.000,00)
(=) Lucro Bruto: 6.750,00
(-) Despesas Operacionais: (2.250,00)
Despesas com Vendas e Administrativas: (1.800,00)
(=) Ebit 4.950,00
(+) Depreciação e amortização 450,00
(=) Ebitda 5.400,00
(=) Ebitda em percentual da Receita operacional bruta 30%

Ebit e Ebitda são a mesma coisa?

Para sermos bem objetivos, a resposta é não.

Não se deixe enganar pelas aparências. Embora parecidos no nome e até guardando alguma semelhança, já que ambos tratam da saúde financeira da empresa, são indicadores diferentes.

Enquanto o Ebitda se refere aos lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização, o Ebit indica os lucros apenas antes de juros e impostos.

A sigla significa Earning before interest and taxes, ou Lajir, na língua portuguesa.

A diferença principal para o Ebitda está no fato de não considerar o valor da depreciação de ativos tangíveis e da amortização de ativos intangíveis.

Quer um exemplo? O maquinário de uma empresa é um ativo tangível. Por outro lado, dívidas de longo prazo são ativos intangíveis.

Então, na prática, o Ebit leva em conta apenas a capacidade de uma companhia gerar recursos ao seu caixa com o produto da sua atividade fim. Ou seja, nenhuma outra fonte de receita é considerada.

Não esqueça das limitações do Ebitda

Até aqui, vimos que o Ebitda significa lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização e que esse é um indicador muito usado para analisar empresas de capital aberto.

Porém, é importante entender que se trata de apenas um dos componentes de tal análise, que só é completa ao incluir o lucro por ação e a capacidade de alavancagem, entre outros elementos.

É claro que o Ebitda tem seu valor, afinal, traz dados interessantes quanto à eficiência da companhia analisada.

Quando ele se mantém em alta no longo prazo, é também um sinal claro que a empresa envia para o mercado quanto à sua saúde financeira.

Outro aspecto interessante é que o indicador serve para fins comparativos mesmo entre negócios com sede em países diferentes. Se você está em dúvida sobre qual companhia investir, tem no Ebitda uma informação a mais para a sua tomada de decisão.

Mas vá com calma, pois utilizar exclusivamente o Ebitda representa uma visão míope sobre a realidade financeira da empresa avaliada.

A propósito, para um investidor, um indicador sempre relevante é o de liquidez. No caso de uma empresa de capital aberto, significa a capacidade que ela possui de converter em dinheiro uma aplicação realizada nela. E essa informação, infelizmente, não é determinada pelo Ebitda.

Ao contrário, para os investidores menos experientes, é fácil se deixar enganar por um Ebitda positivo, mas que mascara um possível prejuízo líquido.

Então, se você persegue a rentabilidade em seus investimentos, olho no Ebitda, mas não apenas ele.

Conclusão

Neste artigo, aprendemos mais sobre o Ebitda, seu significado, importância, cálculo e aplicação.

Você pôde conferir que esse é mais um dos indicadores importantes do mercado financeiro, trazendo contribuições relevantes para definir o rumo dos seus investimentos.

Nunca esqueça, porém, que investir em ações é uma aplicação destinada a quem possui um perfil mais arrojado, que tolera melhor os riscos e, principalmente, a volatilidade dos papéis.

A divulgação de um Ebitda entre os resultados financeiros de uma companhia pode balançar o mercado, impactando no vai e vem dos índices em uma bolsa de valores.

Pode resultar em grandes lucros? Pode, assim como em grandes perdas.

Então, se você deseja se aventurar pelo mundo da renda variável, o primeiro passo você está dando hoje, ao buscar conhecimento sobre o Ebitda e sua influência na análise financeira de companhias de capital aberto.

Mas não pare por aqui.

Vá em busca de balanços divulgados por outras empresas, veja como se dá a formação do Ebitda dela e faça os cálculos por conta própria.

Esse exercício já ajuda bastante a conhecer melhor tudo aquilo que influencia nos resultados das suas aplicações.

Outra dica valiosa é buscar notícias do mercado financeiro e ler entrevistas e artigos de opinião assinados por analistas. Nesse ponto, a internet dá uma mãozinha e tanto.

Então, siga em frente.

É com esse comportamento que você formará o conhecimento que dará suporte às suas decisões.

Gostou do artigo sobre o Ebitda? Deixe seu comentário e não esqueça de compartilhar o tema nas redes sociais.

Fonte: BTG Pactual digital

Veja também