5 Dicas Para Montar Sua Carteira de Investimentos

Quando falamos sobre investir em ações, normalmente não aplicamos dinheiro em uma só empresa, mas sim em um grupo de diferentes companhias que seguem o perfil do nosso objetivo com o investimento.

E na hora de montar uma carteira de investimentos, não há uma única escolha certa ou errada, o importante é sempre conhecer a si mesmo e suas próprias necessidades. Levando isso em consideração acima de tudo!

1# Saiba o seu perfil

perfil de investidorNo mercado financeiro há diversos tipos de investidores: desde aquele que quer dinheiro rápido a aquele que pensa na aposentadoria. Há aqueles que podem acompanhar diariamente as notícias e valores ou mesmo aquele que só pode verificar seu saldo no fim do mês.

Saber qual é seu perfil de investidor é essencial para começar a pensar em bolsa de valores.

Ter em mente o objetivo do investimento bem como quando se precisará, ou se pode precisar do dinheiro, responde bem à questão de saber qual é o seu perfil.

2# Saiba qual o seu prazo

Seu prazo é o temo que você tem até realmente precisar daquele dinheiro:

a. Curto prazo

Pode variar desde duas semanas a até 6 meses. É comum para pessoas com muito acesso a informação e tempo disponível para realização de operações daytrade, como Traders experientes e analistas técnicos.

b. Médio prazo

Pode variar de 7 meses a 5 anos em média. Nessa categoria estão as pessoas que tem algum dinheiro e querem vê-lo render mais que a poupança, mas não podem acompanhar diariamente sua evolução, aplicando em empresas maiores que têm certa segurança futura e que, apesar das quedas e subidas nos preços, acreditam em lucro final dentro do médio prazo.

c. Longo prazo

Compreende tempo maior que 5 anos sendo predominantemente citado como uma boa aplicação quando feita em empresas confiáveis e de grande porte já que seus crescimentos são tidos como mais seguros e têm grande liquidez, além de sofrerem intenso monitoramento e análise.

Este vídeo dá boas dicas sobre de quanto em quanto tempo revisar sua carteira de investimentos:

3# Saiba seu risco

 a. Alto risco

Todos os portfólio que 100 % dos investimentos são em ações podem ser considerados como de alto risco.

Estas carteiras de investimento, ficam muito sensíveis ao humor do mercado além de que lembre sempre que uma empresa pode falir e seu dinheiro praticamente sumir todo neste caso. Aumenta-se o risco mais ainda quando se investe em um só tipo de papel ou mesmo quando se opta por apostar em pequenas empresas (as ações small caps).

b. Médio risco

Quando se mescla em um portfólio mercado de ações e títulos de renda fixa pode-se diminuir o risco do investimento já que esses últimos muitas vezes compensam perdas das ações, porém podem não render mais que a poupança que também é utilizada como opção de investimento mais seguro.

c. Baixo risco

Quando se investe somente em títulos de renda fixa, seja na poupança ou no Tesouro Direto, o risco cai grosseiramente, porém a possibilidade de ganhos maiores que 10 % ao ano é quase zero. Abordaremos especificamente esse tipo de investimento em outra matéria, pois não é o foco do curso.

4# Saiba as características do setor

Empresas petroquímicas: sofrem principal variação quando em relação ao preço do dólar e do petróleo.

Empresas de transporte aéreo: sofrem com os mesmos fatores que as petroquímicas mas na ordem inversa já que dólar e combustível baratos aumentam procura pelo serviço e barateiam os custos de transporte.

Energia elétrica: são conhecidas como boas pagadoras de dividendo e os preços de suas ações variam de acordo com reajustes no preço da energia e leis do governo. Algumas chegam a dividir 100% do lucro líquido com os acionistas.

Siderúrgica e minérios: normalmente são analisadas separadamente, mas sofrem principalmente com o mesmo fator: Preço dos minérios sendo o cobre, ferro e alumínio os mais importantes. Este setor é também um indicador da economia mundial: quando maior o consumo de seus produtos, mais aquecida está a economia mundial ou interna se o mercado da empresa for o brasileiro do contrário são os primeiros a cair.

Bancos: no Brasil só são afetados por medidas do governo, muito fracamente, e o humor do mercado já que todos os bancos aqui, que possuem ações atualmente, são considerados seguros e registram lucros superiores a bancos suíços e americanos.

Consumo: são ligados ao aumento da renda nacional bem como do consumo propriamente, compondo-se de redes de supermercado, lojas de departamento, produtos de beleza e alimentação sendo estes últimos mais susceptíveis às vendas para o exterior e assim ao dólar, preço do transporte e condições econômicas externas.

5# Saiba usar as ferramentas corretas

É muito importante que você controle de perto e acompanhe a evolução dos seus investimentos. Para isso você deve aproveitar as ferramentas que facilitam todo este trabalho para você.

Um exemplo é o gerenciador de portfólio que oferecemos gratuitamente aqui no Bússola do Investidor. Com ele você pode:

  • Acompanhar sua rentabilidade diária
  • Saber o valor total de sua carteira de investimentos
  • Determinar se seu dinheiro está muito concentrado em um único setor
  • Entre outras vantagens

Para começar a utilizar nosso gerenciador de portfólio gratuitamente, basta criar uma conta gratuitamente aqui.

 

 

Diego Wawrzeniak (@diegowrz) é autor do Guia do Imposto de Renda na Bolsa.
Trabalhou no mercado financeiro e é economista pela FGV. Além de finanças, também é apaixonado por empreendedorismo, inovação e conversar com outros investidores.