Como Investir No Exterior

Fato: a economia brasileira não está lá essas coisas e ao que tudo indica não há mudanças suficientes para que o cenário econômico fique diferente a curto prazo.

Opções boas de investimento existem, mas em épocas como esta não é tão fácil encontrá-las. Dado tudo isso, alguns leitores me perguntaram sobre a possibilidade de investir no exterior:

Será que fora do Brasil não há boas opções de investimento?

A resposta é: com certeza. Porém, o grande problema é você, eu e os outros humildes investidores, acessarmos o mercado financeiro internacional.

O custo é alto e, em geral, são envolvidas as mais mirabolantes estruturas tributárias, envolvendo advogados e SPE (Special Purpose Vehicles).

Mas não desanime!

Abrindo as portas para o mundo

como investir no exteror

Essa semana foi lançado um novo fundo de investimento que vai acabar com essa barreira que nos separa das oportunidades no exterior: é o Fundo Órama Gávea Macro.

Entenda o porquê deste  fundo ser algo mais revolucionário do que você imagina:

1. Acesso direto para investir no exterior

Como comentei, os custos para levar o dinheiro lá pra fora são altos. Só que tudo fica bem mais barato se dividirmos entre vários investidores por meio de um fundo de investimento.

Com essa estrutura de investimento é possível contratar os melhores advogados, os melhores assessores e garantir que todo o processo seja feito da maneira mais segura, confiável e tributariamente eficiente.

O fundo tem acesso a cerca de 25 países, incluindo o próprio Brasil.

2. Sem dor de cabeça

Outra grande vantagem de investir no exterior por meio deste fundo é que o trabalho que você terá é exatamente o mesmo que investir em qualquer outro, seja do seu banco ou de um gestor de recursos independente.

Basta transferir seus recursos e deixar que os gestores operem por você. As escolhas desses profissionais até agora não deixam a desejar. Enquanto o mercado, em especial a bolsa, vai mal, o fundo alcança uma ótima rentabilidade em 12 meses:

como investir no exterior

fonte: Órama Investimentos

3. Acesso a diferentes ativos financeiros

Existem opções de investimento no exterior que ficam limitadas a um único ativo, ou a algum determinado tipo de ativo. Isso não acontece com o Órama Gávea Macro.

A gestão deste fundo está livre para investir nas melhores oportunidades que encontrar nessas estratégias:

  • Moedas
  • Juros
  • Ações
  • Dívidas Externas

4. Ter o Arminio Fraga trabalhando para você

É isso mesmo.

Se você não conhece o Arminio Fraga, sugiro dar uma olhada na história do Banco Central. Ele foi o presidente da instituição durante 4 anos, de 1999 a 2003, tendo trabalhado também com um dos maiores investidores do mundo, George Soros, no Soros Fund, em Nova York.

Após sair da presidência do Banco Central, ele se juntou com outros sócios para fundar a Gávea Investimentos, hoje uma das mais reconhecidas gestoras de recursos, não só no Brasil como no exterior. Em se tratando de experiência de investimento nos mercados globais, a equipe da gestora é a mais completa e bem preparada.

Para nós simples investidores, ter acesso a investimentos no exterior é algo complicado, já que essa estratégia é normalmente acessível a investidores super qualificados – aqueles que aplicam mais de R$ 1 milhão. Com o fundo Órama Gávea Macro podemos investir com apenas R$ 5 mil.

Esse vídeo é bastante interessante e conta mais sobre a estratégia do fundo:

Conclusão

Claro que toda decisão de investimento deve ser tomada com cuidado e responsabilidade. É sempre inteligente diversificar sua carteira com bons produtos que estejam alinhados ao seu perfil de risco.

No entanto, o Fundo Órama Gávea Macro sem dúvida oferece uma ótima oportunidade, tanto de diversificação por investir em diversos países, quanto por segurança, já que é gerido por excelentes profissionais, com experiência e seriedade comprovadas.

E você, já havia pensado em investir no exterior? Achou que seria difícil??

Diego Wawrzeniak (@diegowrz) é autor do Guia do Imposto de Renda na Bolsa.
Trabalhou no mercado financeiro e é economista pela FGV. Além de finanças, também é apaixonado por empreendedorismo, inovação e conversar com outros investidores.

  • Camila Maranezzi

    Ola Diego, estou preocupada com a situação do pais, e gostaria de saber…. o q vc recomenda para retirar dinheiro do pais? Ou não recomenda?

  • Guto Polycarpo

    Diego, tudo bom? Hoje tenho pensado bastante em fazer algum tipo de investimento no exterior, mais específicamente nos EUA, por conta do alto risco de desvalorização da nossa moeda. Acredito que os investidores extrangeiros procurei nosso país para investir em busca da alta volatilidade que apresentamos, hoje eu penso em colocar uma parcela de meus investimentos lá fora por conta da estabilidade e, em tese, se eu proteger esse capital da desvalorização cambial/inflação por estar lastreado em dólar, não precisarem de grandes rentabilidades para superar a nossa inflação. Por outro lado, sei que existem custos envolvidos nessas nas operações, mas não encontrei nenhum guia em que eu possa calcular todos os custos envolvidos. Você teria algum material sobre o assunto para compartilhar? Abs, Guto

    • Olá Guto,
      Uma coisa é investir no exterior. Existem fundos de investimento aqui no Brasil que o fazem e você pode investir diretamente neles como em qualquer outro fundo. Outra coisa é tirar seu dinheiro do país, o que evolve diversos custos e burocracias. Este segundo caso é menos recomendado caso seu objetivo seja investir lá fora. Abraços