Como Identificar Tendências em 6 Passos Simples

“Não importa se você está certo ou errado, mas sim quanto dinheiro você faz quando está certo e quanto você perde quando está errado.” – George Soros

Quando investimos no mercado financeiro, o objetivo inicial de todos nós é comprar algo por um preço acreditando que vamos vendê-lo mais adiante por um preço maior. Para que isso aconteça, basta que o mercado esteja subindo. Ou em tendência de alta.

Mas como saber quando isso está acontecendo e quando o mercado está em baixa, ou se movendo de lado? Nós te ajudamos.

Pensando nesses pontos, Charles Dow criou uma teoria em 1884.

Ele foi um jornalista americano criador, dentre outras coisas, do famoso jornal The Wall Street Journal. E também criador do principal índice de ações da bolsa americana: o Dow Jones Industrial Average.

Sua teoria, que viria a se tornar a base da escola de Analise Técnica, ficou conhecida como Teoria de Dow.

Ela é baseada em 6 fundamentos práticos para identificar e aproveitar as tendências, que você confere abaixo:

#1 Os índices de preço já descontam tudo

Segundo esse princípio, os índices de mercado (Ibovespa e Dow Jones, por exemplo) já refletem todas as expectativas, informações e novidades possíveis. Inclusive todo o consenso do mercado sobre o passado, o presente e o futuro.

Portanto, todo os fatores que afetam a oferta x demanda já está refletido (descontado) no preço do índice.

Uma vez que o mercado é rápido e eficiente, qualquer notícia será instantaneamente incorporada nos movimentos dos preços. E os índices conseguem agregar todos estes movimentos.

Embora o mercado não possa prever catástrofes naturais e outros acontecimentos, ele se ajusta rapidamente descontando estas ocorrências e assimilando os efeitos sobre os preços.

Sendo assim, não se faz necessário para os participantes realizar análises paralelas para calcular o impacto que as novidades influem no preço. As estimativas do mercado são sempre mais eficientes.

#2 O mercado se desenvolve em 3 tendências

O segundo princípio de Dow afirma que o mercado possui três tendências de movimento: primária, secundária e terciária, de acordo com sua magnitude.

tendência primária é a tendência principal do mercado.

É um movimento longom que pode ser de alta ou de baixa. E que leva a uma grande valorização ou desvalorização dos ativos.

Ela costuma durar no mínimo 1 ano e pode se estender por vários anos.

Uma tendência primária não se movimenta em linha reta. Ao observarmos o mercado percebemos que o movimento acontece como um ziguezague.

Em um mercado de alta, após um impulso para cima que forma um novo topo (mais alto que o anterior), temos uma correção que forma um novo fundo (também mais alto que o fundo anterior). Em uma tendência de baixa o oposto acontece, após uma queda que forma um fundo mais baixo, acontece uma reação que cria um topo mais baixo.

O conjunto desses impulsos e correções dentro de uma tendência primária são as chamadas tendências secundárias.

Uma tendência secundária dura de 3 semanas a 3 meses e pode corrigir até dois terços da tendência primária que ela faz parte.

As tendências terciárias fazem parte das secundárias.

São movimentos menores com duração de menos de 3 semanas. Elas se comportam em relação às tendências secundárias da mesma maneira que as secundárias em relação às primárias.

Portanto a tendência terciária se desenvolve dentro da secundária, que por sua vez, se desenvolve dentro da tendência primária, ou principal, do mercado.

#3 A tendência possui 3 fases de movimento.

No terceiro princípio, Dow observa que dentro das tendências primárias os preços se movimentam em 3 fases distintas, tanto na alta, como na baixa. E que essas fases são caracterizadas por aspectos psicológicos marcantes. 

Fases do Mercado de Alta

Fase 1 ou Acumulação

É quando os investidores mais bem preparados e qualificados (smart money) percebem que os ventos mudaram. Enquanto os investidores em geral ainda estão recebendo notícias negativas da mídia e acreditando que o pior está por vir, os qualificados estão comprando ações por preços descontados.

É quando o mercado já assimilou os impactos negativos que causaram uma tendência de baixa e está se recuperando; ganhando fôlego para reverter o cenário e entrar em uma tendência de alta. Acontece uma leve alta nos preços.

Fase 2 ou Participação Pública

É quando os investidores em geral percebem que o pior já passou. O mercado começa a assimilar os fatores positivos e o público em geral começa a comprar ações. Acontece uma aceleração mais acentuada do movimento.

A pressão compradora aumenta bastante e os preços sobem.

Fase 3 ou Euforia

É quando os participantes do mercado, de maneira geral, estão cada vez mais seguros de seus lucros. O mercado começa a ganhar as manchetes dos jornais, a grande massa de investidores está em clima de euforia e a participação do público, que começou na fase anterior, fica ainda maior.

A terceira fase é marcada por grandes altas. E é quando os investidores mais bem preparados, aqueles que compraram na fase de acumulação, começam a vender suas posições e embolsar seus lucros.

Está aberta a possibilidade para a fase 1 do mercado de baixa.

Fases do Mercado de Baixa

Fase 1 ou Distribuição

É quando os investidores mais qualificados e os profissionais vendem seus ativos. Percebem que os preços estão muito valorizados e os benefícios das empresas chegaram ao máximo.

Acontece leve queda nos preços e se inicia a retração.

Fase 2 ou Liquidação

É quando o público em geral começa a vender suas ações. É uma etapa marcada por um grande nervosismo e o mercado cai fortemente. As manchetes estampam más notícias. Os investidores percebem o equívoco e tentam se desfazer de suas posições a qualquer preço

Fase 3 ou Desaceleração

É quando os investidores em geral ficam desanimados. As manchetes são as piores possíveis, os resultados das empresas e notícias macroeconômicas desanimadoras.

Com as grandes perdas e ativos muito desvalorizados a pressão vendedora se dissipa. Assim, o mercado vai se estabilizando e abrindo oportunidade para uma nova alta começar a surgir; e para uma nova fase de acumulação aparecer.

#4 O Princípio da confirmação

Segundo o principio da confirmação, os diferentes tipos de índice devem confirmar uns aos outros no mesmo movimento. Assim temos a confirmação do movimento ou somos alertados de algum tipo de “armadilha”.

Dow usava como índice de confirmação do Dow Jones Industrial Average o índice Dow Jones Transportation Average. Isso é, se o índice industrial estivesse rompendo uma faixa de preço específica e criando uma tendência, o índice de transportes deveria estar fazendo o mesmo movimento, ou tal movimento poderia ser falso.

No caso da bolsa brasileira, um bom índice para confirmação de tendência do Ibovespa é o IBRX100 ou IBRX50 ou IBrA (Índice Brasil Amplo).

#5 O volume deve confirmar a tendência

O princípio de volume de Dow diz que o aumento ou diminuição do volume (quantidade de ações negociadas) deve estar no mesmo sentido da tendência. Assim:

Na tendência de alta, o volume deve aumentar com a valorização dos ativos e diminuir nas desvalorizações (correções).

Na tendência de baixa o volume deve aumentar com a desvalorização dos ativos e diminuir nas valorizações (repiques).

#6 Uma tendência continua válida até que seja revertida

Esse princípio, embora pareça óbvio, tem grande importância.

Volte às aulas de física: a primeira Lei de Newton, ou lei da Inércia, nos diz que a tendência dos corpos, quando nenhuma força é exercida sobre eles, é permanecer em seu estado natural. Ou seja, repouso ou movimento retilíneo e uniforme. O mesmo vale para tendências do mercado.

Isto é, o mercado não vai cair apenas porque atingiu um nível “alto demais” ou subir porque “caiu demais”.

Nada está tão caro que não possa subir mais ou tão barato que não possa cair mais. A tendência vigente só será interrompida quando uma nova, e contrária, tendência se iniciar.

Conclusão

Os princípios da teoria de Dow são simples de serem entendidos. Mas muitas vezes, por causa do envolvimento financeiro emocional, não são fáceis de serem aplicados. A ajuda de um profissional qualificado e experiente é de fundamental importância para alcançar seus objetivos.

Para certificar-se da autorização de atuação de profissionais de investimento, basta acessar o site de CVM e no link “participantes do mercado” encontrar analistas, gestores, agentes autônomos entre outros.

E lembre-se: quanto mais preparado você estiver para o mercado financeiro e melhor conhecer seus medos e objetivos, maiores são suas chances de vitória.