Cálculo do preço médio de ações no imposto de renda

Por |2018-06-08T07:59:39+00:0020 de março de 2014|

Este texto faz parte do ebook “Imposto de Renda na Bolsa” –  acesse a versão completa aqui.

Se escolher o investimento certo já é difícil, a hora de fazer o cálculo do preço médio de ações para declarar o imposto de renda, é outro desafio à qualquer investidor.

Pelo menos para mim, as dúvidas sempre aparecem, e mesmo já trabalhando com isso há alguns anos, é comum eu ter de pesquisar antes de responder uma dúvida de algum investidor, ou até mesmo preencher minha própria declaração.

Um ponto que pesquisei recentemente foi justamente sobre o cálculo do preço médio de ações para fazer apurar o imposto devido. Percebi que não existe nada explicando como isso deve ser feito, e além disso ainda encontrei algumas pessoas indicando a “estratégia” de abaixar o preço médio. Resolvi então escrever este artigo, que espero que ajude você como ajudou a mim!

Preço Médio de Ações

“Fazendo Download da resposta. Tempo restante estimado 04:14”

Antes que você fique confuso com os cálculos e com a quantidade de passos para encontrar seu preço médio de ações, fica uma dica: nossa Calculadora de IR faz o cálculo automaticamente do preço médio das ações em sua carteira e já prepara o relatório que você deve informar na sua declaração de imposto de renda.

Apesar de o conceito não ser tão complicado, calcular o preço médio de uma ação envolve algumas etapas:

  1. Determinar quais são seus custos por ordem executada;
  2. Calcular o custo médio das ações de cada ordem;
  3. E finalmente: calcular o preço médio de ações em toda sua carteira.

Antes de entrar nestas etapas, você já deve estar se perguntando:

Por que eu iria querer calcular o preço médio de minhas ações?

Para começo de conversa, o cálculo do custo médio de ações é fundamental para você saber quanto deverá pagar de imposto de renda, mas ele não serve só para isso. Calcular o preço médio de compra de suas ações também é necessário para você determinar quanto teve de lucro líquido, o que no final das contas, é o mais importante para qualquer investidor.

Ainda é comum saber de investidores que realizaram centenas de operações na bolsa de valores, porém não perceberam que os custos totais de corretagem e taxas, na realidade foram muito maiores que seu “lucro”. É daí que vem o conceito de lucro líquido, que é o seu lucro descontando todos os custos operacionais que você teve.

[thrive_leads id=’5870′]

Agora vamos aos passos para você calcular seu próprio preço médio:

1. Determine quais foram seus custos operacionais

Para comprar um um lote de ações, você deve especificar quanto deseja pagar por cada uma delas. Por exemplo, pagar R$ 20,50 por 100 ações PETR4. Estes R$ 2050,00 será quanto o vendedor irá receber e o valor pelo qual a ordem será executada. Uma vez executada a ordem, você poderia afirmar “comprei um lote de de PETR4 (Petrobras) que me custou R$ 20,50 por ação”?

A resposta é não! E aí já entra o conceito de preço médio de ações:

Além dos R$ 2.050, você teria que pagar a taxa de corretagem de sua corretora de valores, emolumentos , ISS e outras taxas da Bovespa:

  • Emolumentos, taxas de registro e liquidação: cobrados pela Bovespa ou CBLC, para cobrir os custos de operacionalização e liquidação de suas operações. As taxas são padrões para todos os investidores;
  • Taxa de corretagem: cobrada pela sua corretora pelos serviços prestados pela mesma. Cada corretora tem sua própria política de cobrança, dependendo da qualidade e variedade de serviços prestados;
  • Taxa de Custódia: cobrada pela corretora pela guarda das ações, costumam variar de zero a R$21,60 ao mês;
  • ISS (Imposto Sobre Serviços): costuma ser repassado por algumas corretoras ao cliente.

Para definir seus custos operacionais, basta olhar sua nota de corretagem, ou perguntar a sua corretora quantos você terá que pagar de corretagem e taxas.

Por isso, pedimos que o investidor cadastre sua corretora e estas informações ao iniciar o uso de nossa Calculadora de IR. Assim é possível incluir estes custos em todas as operações cadastradas em sua carteira futuramente.

2. Determinar o preço que você de fato pagou em suas ações

Imagine que após apurar os custos operacionais, encontramos que eles totalizaram R$ 50. Neste caso, teríamos pago de fato:

(R$ 2.050 + R$ 50) / 100 = R$ 21,00 por ação!

Portanto, esta operação só dará lucros se vendermos as ações da Petrobras por algo superior a R$ 21,00. Acha que R$ 0,50 é pouco? Isso representa uma valorização de 2,3% que a ação deve ter, antes de o investidor começar a ter lucros…

Perceba que este é o preço médio das ações desta operação. Caso você não tenha nenhuma outra ação PETR4 em sua carteira, este já seria o preço médio que estamos procurando. No entanto, é muito comum que você compre ações que já tenha em sua carteira, e por um preço diferente do que pagou anteriormente. Isso nos leva ao próximo e último passo:

3. Cálculo do preço médio de ações em sua carteira

preço médio de uma ação

“Você deve resolver este problema por conta própria. Não pode chamar o suporte técnico.” (Pela Calculadora de IR do Bússola você pode!)

Para este passo, você deve realizar o passo anterior para todas as operações realizadas com o ativo em questão, que deixaram um saldo em aberto em sua carteira. Este passo é o que irá resultar no preço médio de ações para a apuração do seu Imposto de Renda.

Alguns investidores pensam erroneamente em vender primeiro as ações compradas por um preço maior, achando que isso gerará um imposto menor. Isso não ocorre, já que a Receita não utiliza esse conceito.

O investidor deve pensar em suas ações como um estoque único. Ao realizar uma venda, não é possível “escolher” quais ações você vende: as mais antigas ou as adquiridas mais recentemente. Por isso o conceito de considerar um preço único para cada ativo que você tiver, independentemente da data de aquisição.

Para facilitar, veja um exemplo com operações de compra da ação da PETR4 (Petrobrás):

a. Compra de 100 ações por R$ 9,00 em 03/02
Corretagem: R$20,00
Outras taxas: R$1,50

b. Compra de 100 ações por R$ 12,00 em 05/02
Corretagem: R$20,00
Outras taxas: R$1,70

c. Compra de 200 ações por R$15,00 em 10/02
Corretagem: R$20,00
Outras taxas: R$3,60

Com esses dados, o investidor deve primeiro calcular o preço de aquisição de cada operação (item 2 deste artigo):

a. [ ( 100 x 9,00 ) + 20,00 + 1,50 ] / 100 = 9,215
b. [ ( 100 x 12,00 ) + 20,00 + 1,70 ] / 100 = 12,217
c. [ ( 200 x 15,00 ) + 20,00 + 3,60 ] / 200 = 15,118

Portanto, esses foram os valores efetivamente pagos por cada ação em cada operação. Para saber o preço médio, basta fazer a média ponderada:

a. Em 03/02: 9,215
b. Em 05/02: [ ( 9,215 * 100 ) + ( 12,217 * 100 ) ] / 200 = 10,716
c. Em 10/02: [ (10,716 * 200 ) + (15,118 * 200 ) ] / 400 = 12,917

Assim, em 10/02, o investidor tinha 400 ações PETR4, com preço médio de R$ 12,917

Perceba que caso houvesse uma venda antes da terceira compra, o preço médio em “b” não seria afetado. No entanto, o preço de uma nova compra teria mais peso, já que seu estoque seria menor, afetando a média ponderada. Vamos dar um exemplo:

Suponha que a venda a seguir foi executada antes da terceira compra:

b2. Venda de 50 ações por R$ 11,50 em 05/02
Corretagem: R$20,00
Outras taxas: R$0,86

Nesse caso, após a venda, o Preço Médio de sua posição continuará sendo R$ 10,716. Porém o estoque de ações, que antes eram 200, passarão a ser 150. No momento da terceira compra, o novo cálculo do preço médio seria:

c2. Em 10/02: [ (10,716 * 150 ) + (15,118 * 200 ) ] / 350 = 13,231

Veja que o preço médio das ações no dia 10/02 passou de 12,917 para 13,231 embora não tenha sido feita nenhuma nova compra.

Agora que você já sabe como fazer o cálculo do preço médio de suas ações corretamente, vamos falar de um último tópico. A chamada “estratégia de abaixar o preço médio”.

Vale a estratégia de reduzir ou abaixar o preço médio das ações que eu tenho?

NÃO!!!

NÃO pense que abaixar o preço médio irá aumentar seus lucros...

NÃO pense que abaixar o preço médio irá aumentar seus lucros…

Para quem não está familiarizado com essa ideia nada genial, abaixar o preço médio é quando o preço das ações que você tem em carteira caíram, e você não contente com isso, compra mais destas ações. A expectativa de reduzir o preço médio das ações em carteira, cria uma falsa sensação de que você pagou mais barato em suas ações, o que não é verdade!

Se o sujeito pagou R$ 100, e agora vale R$ 50, comprar mais destas ações não irá fazer o prejuízo da primeira compra ser menor. O investidor pode até ter lucro com as compras seguintes, no caso de o preço subir acima do valor comprado posteriormente, porém esta é outra operação, com outro preço, que teria lucros maiores caso a primeiro operação à R$ 100 não tivesse sido realizada.

Essa chamada “estratégia de reduzir o preço médio” não tem nada de estratégia. Na realidade é uma consequência da falta de preparo do investidor em reconhecer que errou. Assim como é explicado no excelente artigo do blog Trend Following, esta atitude é uma grande armadilha para o investidor, independente de seus objetivos.

Ao invés de apostar ainda mais suas fichas em um investimento que deu errado, um investidor consiente, deve analisar a situação da empresa e determinar se deve:

  1. Realizar os prejuízos agora, antes que os preços caiam ainda mais, ou
  2. Manter as ações, caso perceba que os preços caíram demais

Lembre-se o preço médio das ações é somente útil para fins tributários e para mensurar seu seu lucro. Ele nunca deve ser considerado em suas decisões de investimento!!

Quer saber mais sobre as outras etapas para calcular e declarar seu imposto de renda na bolsa de valores?

Então confira o Guia Completo do IR na Bolsa aqui!

Veja também