MACD Convergência / Divergência

Desenvolvido por Gerald Appel no final dos anos 70, o MACD (Convergência / Divergência das Médias Móveis), é considerado um dos mais simples e mais eficientes indicadores de momento na análise técnica.

O MACD transforma duas médias móveis exponenciais (MME) seguidoras de tendência em um oscilador de momento, subtraindo o valor da mais curta pelo valor da mais longa. E assim consegue reunir o melhor entre estes dois tipos de indicadores: seguir tendências e sinalizar o momento.

Entendendo o MACD

Seu valor oscila ao redor da linha zero, enquanto as médias móveis convergem, divergem e se cruzam. Os traders buscam por sinais de compra e venda quando ocorrem cruzamentos com a linha sinal, com a linha central (zero) e divergências.

Uma das desvantagens deste indicador é que ele não é útil para determinar níveis de sobre compra ou sobre venda, já que ele não te limites para oscilar. Para isso o investidor deve utilizar o Oscilador Estocástico.

Obs: pode ser pronunciado como “MAC-DI” ou “M-A-C-D”

Veja um exemplo do MACD no gráfico da CSAN3:

MACD na análise técnica

Cálculo do MACD

Como sempre digo, para entender bem o funcionamento dos diferentes tipos de indicador de análise técnica, você deve entender sua fórmula e como são calculados.

No caso do MACD, felizmente isso é simples:

  • Linha MACD = (MME 12 dias – MME 26 dias)
  • Linha de Sinal = MME 9 dias
  • Histograma MACD = Linha MACD – Linha de Sinal

A Linha MACD é a Média Móvel Exponencial (MME) de 12 dias, menos a Média Móvel Exponencial de 26 dias. Os preços de fechamento do período são utilizados para estas médias móveis.

Uma MME de 9 dias é utilizada para servir como Linha de Sinal e identificar viradas.

O histograma MACD representa a distância entre a Linha MACD e a Linha de Sinal, sendo positivo quando a Linha MACD está acima da de sinal e negativo quando está abaixo. Os valores de 12, 26 e 9 são muito utilizados e definidos como o padrão, no entanto outros valores podem ser utilizados de acordo com o estilo de trade e seus objetivos.

Como interpretar os sinais do MACD

Como o próprio nome fala, o MACD é sobre a convergência e a divergência de duas médias móveis.

A convergência ocorre quando as duas médias móveis movem-se para mais perto uma da outra, enquanto na divergência as médias móveis se afastam.

A média móvel mais curta (12 dias) é mais rápida e responsável pela maioria dos movimentos no MACD. A média móvel longa (26 dias) é menos relativa e está menos sujeita a variações nos preços do ativo.

Os oscilações do MACD ocorrem ao redor da linha zero, também chamada de linha central. Quando a linha MACD cruza com a linha central, é uma indicação de que a MME de 12 dias cruzou com a MME de 26 dias.

O MACD torna-se mais positivo conforme a MME de 12 dias se distancia, ficando acima da MME de 26 dias. Isso mostra que o momento de alta está crescendo.

O contrário ocorre conforme a MME 12 dias está abaixo da MME 26 dias: o MACD fica negativo conforme essa diferença aumenta, significando um maior momento de baixa.

MACD

Na imagem acima, o MACD fica em campo positivo durante toda a tendência de alta, já que a MME(12) está acima de MME(26). Quando a tendência perde força, o MACD cruza a linha 0 algumas vezes e por fim entra na zona negativa, quando a MME(26) é maior do que a MME(12).

1. Sinal de cruzamento com a linha de sinal

O cruzamento da Linha MACD com a linha de sinal é mais comum alerta gerado por este indicador. A linha de sinal é uma média móvel exponencial de 9 períodos da linha MACD e torna fácil de identificar viradas nesta última.

  • Um sinal de alta ocorre quando a linha MACD vira para cima e corta para cima da linha de sinal.
  • Um sinal de baixa ocorre quando a Linha MACD vira para baixo e corta para baixo a linha de sinal.

Cruzamentos podem durar desde alguns dias ou até mesmo semanas, dependendo da força do movimento. Uma avaliação mais profunda é necessária antes de confiar cegamente nestes sinais bastante comuns.

DICA: Cruzamentos com a linha de sinal nos extremos positivos e negativos, devem ser vistos com ainda mais cautela.

Mesmo o MACD não possuindo limites de alta ou baixa, o investidor pode estimar os limites com uma rápida avaliação visual do passado. É necessário um forte impulso para mover o MACD a um valor extremo e é perfeitamente aceitável que após perder um pouco de força, ocorrerá um sinal de cruzamento com a linha de Sinal.

A volatilidade do ativo, também é um fator que contribui para a quantidade de sinais gerados. Veja na imagem abaixo o gráfico da AMBV3: o MACD produziu alguns cruzamento de baixa com a linha de sinal, no entanto todos foram por um curto período de tempo, já que a ação continuou a subir. O sinal de baixa foi ter efeito somente em meados de janeiro, quando de fato  ação parou de subir.

MACD na AMBV3

2. Sinal de cruzamentos com a linha central

Cruzamentos com a linha de centro são os segundos mais comuns sinais gerados pelo MACD. Um sinal de alta ocorre quando a Linha MACD cruz de baixo para cima a linha central e torna-se positivo. Como vimos, isso ocorre quando a MME(12) cruza para cima de MME(26). O contrário é verdadeiro, um sinal de baixa ocorre quando a linha MACD cruza para baixo da linha central, de modo que a MME(12) cruzou para baixo de MME(26).

Cruzamentos com a linha central podem durar alguns dias ou até mesmo meses, tudo depende da força da tendência de alta ou baixa.

Veja como o sinal de cruzamento com a linha central funcionou bem para determinar a tendência de alta e depois de baixa no gráfico da ITUB4:

gráfico ITUB4

3. Sinal de divergência no MACD

As divergências acontecem quando o movimento do MACD vai contrário ao movimento do preço do ativo em questão.  Uma divergência de alta ocorre quando o preço do ativo registra uma nova mínima, enquanto que o MACD forma apenas uma baixa (que não é uma nova mínima).

Isso porque a não confirmação da mínima pela MACD mostra uma pressão de alta e um menor momento na tendência atual. Veja na imagem abaixo uma divergência de alta na PDGR3. Apesar de o preço registrar uma mínima tão baixa quanto a queda anterior, o MACD mostrou uma baixa menor do que a anterior. Nos momentos seguintes ocorreu uma forte alta.

MACD na PDRG3

O mesmo ocorre para uma divergência de baixa: o preço registra uma nova máxima que não é confirmada pelo MACD, de modo que o momento de alta está diminuindo e pode iniciar uma nova tendência de baixa é iniciada.

Veja o caso da BBDC3, onde a nova máxima não foi confirmada pelo MACD:

gráfico BBDC3

Divergências devem ser olhadas com cuidado. Divergências de baixa são comuns em fortes altas, enquanto que divergências de baixa são comuns em fortes baixas.

Tendências de alta em geral são iniciadas com um forte avanço que aumentam o momento de alta (MACD). Mesmo que a tendência continue, irá continuar em um ritmo mais lento, fazendo  o MACD declinar de seu máximo. Neste caso, o momento de alta pode não ser mais tão forte, porém ainda é maior do que o momento de baixa e continuará assim enquanto o MACD estiver acima de zero.

O contrário ocorre em uma queda muito acentuada. Veja na figura abaixo, um exemplo onde a divergência não funcionou devido a uma tendência de alta muito forte na AMBV4:

análise técnica AMBV4

Considerações adicionais

O MACD é muito especial pois junta momento com tendência em um único indicador, sendo ideal para ser aplicado em gráficos diários, semanais e mensais.

Apesar de os valores 12, 26 e 9 serem muito populares, um analista pode adequar o MACD para o seu perfil de análise. Um exemplo é o MACD (5, 35 e 5) que é mais sensível aos movimentos de curto prazo, sendo mais recomendado para gráficos semanais.

O MACD não é um bom indicador para determinar níveis de sobre compra ou sobre venda, já que não possui limites de máximo e mínimo, seu valor pode sempre ultrapassar a máxima e a mínima histórica.

Por fim, lembre-se de que o MACD é calculado usando o preço da ação em questão como parâmetro fundamental (na média móvel). Portanto o MACD de uma ação de R$ 25 irá variar entre -1.5 e +1.5, enquanto que para uma ação de R$ 100 a variação será de -10 a +10.

Dessa maneira não se deve comparar o valor absoluto do MACD entre os ativos. Caso o objetivo seja a comparação, use o Oscilador Estocástico, como dito no início do artigo.

Usando o MACD no Bússola do Investidor

Você pode utilizar o MACD agora mesmo em nossa ferramenta com gráficos da Bovespa em tempo real.

Para isso clique no botão “Indicadores” e no indicador MACD. Após isso irá abrir uma janela onde será possível configurar os parâmetros que você deseja utilizar.

Uma dica é colocar o MACD diário, semanal e mensal no mesmo gráfico. Para isso, no gráfico diário, basta multiplicar os parâmetros por 5x (semanal) e 252x (anual). Que são os números de dias úteis na semana e no ano.

Boas análises!

Diego Wawrzeniak (@diegowrz) é autor do Guia do Imposto de Renda na Bolsa. Trabalhou no mercado financeiro e é economista pela FGV. Além de finanças, também é apaixonado por empreendedorismo, inovação e conversar com outros investidores.