7 Investimentos Renda Fixa Que Você Não Conhece

Se é uma característica cultural ou somente falta de hábito eu não sei dizer, mas a verdade é que os brasileiros são muito ruins de guardar e investir dinheiro, principalmente quando se trata de investimentos renda fixa.

O principal exemplo disso é a Poupança, que apesar de não ganhar nem da inflação, continua sendo a queridinha dos brasileiros.

Eu já contei a verdade sobre as mentiras que os investidores acreditam sobre a poupança, e expliquei alternativas mais conhecidas como é o Tesouro Direto. Agora vou contar as outras opções de renda fixa menos conhecidas, mas que você vai adorar conhecer:

investimentos renda fixa

1# LCI – Letras de Crédito Imobiliário

a. O que são?

Quando os bancos emprestam dinheiro à pessoas ou empresas que desejam adquirir imóveis, ocorre o chamado financiamento imobiliário. Em geral este tipo de empréstimo possui taxas de juros inferiores à outros empréstimos, já que além de serem subsidiadas pelo governo, também possuem o próprio imóvel como garantia, caso a dívida não seja totalmente paga.

Após realizado o empréstimo e estruturada toda a operação, o banco pode juntar esta operação com outras e criar um título chamado Letra de Crédito Imobiliário (LCI) e vende-la a outro investidor. Deste modo o banco pode originar novos empréstimos e repetir a operação.

b. Quais os benefícios e riscos?

Como outros investimentos em renda fixa, o risco das LCI é baixo.

Os empréstimos imobiliários são sempre atrelados a uma garantia real que são os imóveis e isso reduz muito a chance de você perder seu capital. Além disso o Fundo Garantidor de Crédito (FGC), garante até R$ 250.000 das aplicações.

Existem opções pós fixadas que pagam uma % do CDI e opções pré fixadas, que já determinam sua rentabilidade na data do vencimento. As aplicações mínimas em geral são de R$ 10.000.

É importante lembrar também que as LCIs são isentas de imposto de renda, de modo que você não precisará se preocupar com apurações como ocorre no Imposto de Renda em ações.

c. Como investir em LCIs?

Você pode falar com o gerente do seu banco, ou consultar as opções pelo seu internet banking para verificar quais as opções que seu banco oferece. As corretoras de valores também têm começado a oferecer este e outros tipos de investimento em renda fixa, então vale consultar a sua.

Antes de tomar a decisão, vale comparar com a rentabilidade de outros bancos e corretoras para ter certeza de que está fazendo um bom negócio.

ABC-BANNER

2# LCA – Letra de Crédito do Agronegócio

a. O que são?

Como o nome já diz, estes títulos são muito parecidos as LCIs (explicada acima), porém com a diferença fundamental de que o crédito aqui é dado para o setor de agronegócio. Em geral os produtores precisam de crédito para financiar a safra e dão a própria plantação como garantia.

b. Quais os benefícios e riscos?

Aqui também as coisas são bastante parecidas às LCIs e são uma boa opção para o investidor pessoa física. O Fundo Garantidor de Crédito garante até R$ 250.000 e o investidor pessoa física tem isenção de imposto de renda.

No entanto, vale lembrar que em geral as LCAs têm um investimento mínimo superior que as LCIs, ficando em torno de R$ 100.000 e variando de banco para banco.

c. Como investir em LCAs?

Fale com sua corretora ou banco e peça para ver as opções que oferecem deste tipo de investimento.

 3# CDB – Certificados de Depósito Bancário

a. O que são?

Os bancos precisam de dinheiro para emprestar, e portanto precisam consegui-lo de algum modo.

Isso é feito por meio da emissão de CDBs, que são títulos de dívida emitidos pelos bancos, que se comprometem a pagar um juros sobre este dinheiro. Como emprestam a taxas mais caras, obtém lucro e pagam os rendimentos renda fixa dos CDBs.

Apesar de já serem conhecidos, muito investidores não sabem que podem investir em CDBs de bancos médios e pequenos sem precisar ter uma conta nestas instituições. Como os bancos menores possuem mais dificuldade de obter dinheiro, os CDBs emitidos por esses pagam taxas maiores que o CDI.

b. Quais os benefícios e riscos?

Os CDBs de bancos menores possuem uma rentabilidade maior, porém também apresentam maior risco. Infelizmente não é raro acontecer de um banco passar por problemas, como foram os tristes casos dos bancos Santos, Panamericano e Cruzeiro do Sul.

No entanto, aqui vale mais uma vez a garantia do FGC de até R$ 250.000 em aplicações deste tipo. Portanto não é preciso se preocupar muito se o valor investido ficar abaixo disso.

Vale lembrar que diferente das LCAs e LCIs, os CDBs têm imposto de renda.

c. Como investir em CDBs?

A maneira mais fácil é consultar seu banco diretamente, no entanto esta não é a opção mais rentável. Caso esteja buscando CDBs que paguem mais, vale olhar outros bancos, em especial as opções oferecidas pelo CDB Direto, que já possui toda a facilidade de investimento pela internet.

 4# CRI – Certificado de Recebíveis Imobiliários

a. O que são?

Os CRIs também estão relacionados ao mercado imobiliário. Porém diferente das Letras de Crédito Imobiliário (LCIs), que estão atreladas ao crédito imobiliário, os CRIs estão atrelados ao fluxo futuro dos recebimentos de aluguel de um determinado imóvel.

Se o dono de um Centro de Distribuição loca-lo para uma empresa, ele pode vender o fluxo de renda futuro por um valor no presente. Isso é feto por meio de um CRI.

b. Quais os benefícios e riscos?

Em geral, o CRI é um investimento renda fixa com valor inicial alto, em geral a partir de R$ 300.000. Porém é possível encontrar CRIs por um valor inferior a isso.

As taxas praticadas nos CRIs costumam ser atreladas a inflação, de modo que o investidor fica isento do risco inflacionário, somadas a uma taxa de juros real que em geral é bastante superior a outros ativos. Além disso, os CRIs são isentos de imposto de renda, tornando-os uma excelente opção de investimento para pessoas física.

Em relação aos riscos, primeiramente vale ressaltar a falta de um mercado secundário para os CRIs, sendo difícil para o investir se desfazer do título caso deseja vende-lo antes do prazo de vencimento. Em segundo lugar, os CRIs não são garantidos pelo FGC e portanto devem ter garantias mais robustas por trás. É importante que o investidor conheça bem estas garantias antes de investir.

c. Como investir em CRIs?

Como os CRIs são investimentos mais estruturados, para investir em um você deve procurar uma corretora de valores especializada, ou a área de atendimento personalizado de seu banco.

Outra opção mais acessível é buscar os fundos imobiliários que são totalmente focados em investir em CRIs. Estes fundos são isentos de imposto de renda e o investimento inicial para adquirir uma cota é muito menor. Outra vantagem é a opção de vender no mercado secundário, caso o fundo imobiliário seja negociado na Bovespa.

5# CRA – Certificado de Recebíveis do Agronegócio

a. O que são?

Assim como as LCAs estão para as LCIs, os CRAs estão para os CRIs. São recebíveis provenientes de pagamentos futuros entre produtores rurais.

b. Quais os riscos e benefícios?

Os riscos e benefícios são parecidos com os dos CRIs, no entanto, historicamente os CRAs costumam ser um mais arriscados e por isso pagam taxas mais elevadas.

c. Como investir em CRAs?

Para investir diretamente em um CRA você deve ter bastante dinheiro disponível. No entanto, existem fundos de investimento que investem nestes papéis e que possuem valores mínimos bastante inferiores.

6# Debênture

a. O que são?

As debêntures são títulos de dívidas  emitidos pelas grandes empresas para financiar suas operações. Elas são uma maneira das empresas conseguirem dinheiro diretamente com os investidores, sem ter que passar pelos bancos.

Em geral quando ocorre a emissão de uma debênture ela envolve um grande volume, e esses títulos são oferecidos abertamente no mercado por meio de corretoras e bancos.

b. Quais as vantagens e riscos?

As debêntures possuem prioridade de pagamento em caso de quebra da empresa, e portanto são menos arriscadas que as ações. Oferecem taxas atrativas, em geral  indexadas à inflação ou ao CDI.

No entanto este investimento de renda fixa não é isento de imposto de renda.

c. Como investir em debêntures?

Você deve ficar atento as novas emissões que ocorrem no mercado, que em geral são bastante divulgadas pelas corretoras de valores. Outra opção é recorrer ao mercado secundário, como o mercado de balcão, e analisar quais os títulos estão sendo revendidos.

É importante analisar as taxas que estão sendo pagas e a saúde financeira da empresa. Lembre-se que ao comprar uma debênture você está fazendo o trabalho do banco.

7# FIDC – Fundo de Investimento em Direitos Creditórios

a. O que são?

Os FIDCs são fundos do investimentos que compram os recebimentos que empresas deveriam receber de seus clientes em alguma data futura.

Por exemplo, existem diversos fundos de recebíveis das fornecedoras da Petrobras. Uma vez que a Petrobras é uma empresa grande, é muito baixo que o risco de que não pague algum de seus fornecedores, no entanto também é comum que tenha um longo prazo de pagamento, muitas vezes de até alguns meses.

Como os fornecedores precisam de dinheiro para seu capital de giro, vendem esta renda futura (chamada de “recebíveis”) a um FIDC com um desconto.

b. Quais as vantagens e riscos?

Os FIDCs são fundos de renda fixa extremamente diversificados, podendo envolver recebíveis de uma única empresa (como o exemplo acima), ou até mesmo justar recebíveis de diversas empresas.

Antes de investir você deve avaliar qual o crédito das empresas que devem pagar estes recebíveis e quais as garantias apresentadas pelo vendedor. Você pode acessar todas as informações financeiras em nosso Guia de Empresas da Bovespa.

c. Como investir?

Como os FIDCs são em sua essência fundos de investimento, basta que você encontre um gestor confiável e profissional. Verifique as taxas de administração e a qualidade da equipe gestora.

banner_getsitecontrol1

Outros Investimentos Renda Fixa

Como você deve ter percebido, as opções de investimentos renda fixa vão bastante além da tradicional poupança e do Tesouro Direto.

Embora não exista uma fórmula mágica que defina qual destas alternativas é ideal para cada investidor, é sempre inteligente diversificar seus investimentos com opções de qualidade e que estejam expostas a riscos diferente.

E você, já conhecia ou já investiu em alguma destas opções de renda fixa? Eu adoraria saber como foi pelos comentários abaixo!

Diego Wawrzeniak (@diegowrz) é autor do Guia do Imposto de Renda na Bolsa.
Trabalhou no mercado financeiro e é economista pela FGV. Além de finanças, também é apaixonado por empreendedorismo, inovação e conversar com outros investidores.

  • luciano filho

    Bom dia.

    Tenho 28 anos e possuo uma renda mensal de aproximadamente 15 mil reais.

    Estou querendo iniciar uma forma de poupar mensalmente pelos próximos 36 meses, com parcelas de R$ 1.500,00 e vou resgatar o valor somente no encerramento deste período.

    Li muito sobre renda fixa (LCI, LCA, CDB, CRI, CRA, DEBENTURES, FIDC, TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO, TESOURO DIRETO), porém ainda não identifiquei qual seria a melhor opção de rentabilidade.

    Sei que as rendas fixas de menos risco possuem uma rentabilidade menor, porém estou em busca de uma rentabilidade maior e com intenção de correr riscos.

    Qual sua sugestão?

  • Muito bom este artigo. Espero que vocês postem mais artigos como este. Nesses tempos que estamos vivendo é sempre bom aprender algo mais.

  • BOA NOITE DIEGO , MUITO BOM

    GOSTARIA DE TER O HABITO DE POUPAR , JA QUE MEU ORÇAMENTO FINANCEIRO ESTA EQUALIZADO EM UM MOMENTO DE CRISE , ACREDITO QUE PRECISO PENSAR DIFERENTE DA MAIORIA QUA NÃO TEM O HABITO DE INVESTIR , GOSTARIA DE CONTATO E ORIENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO.

    ANTONIO

  • Cris

    Boa tarde, adorei seu artigo, estou lendo sobre tudo que se refere a investimentos, sempre guardei dinheiro na poupança e hoje vejo que não tem nenhuma vantagem, hoje pretendo me tornar uma investidora, mas sou totalmente leiga no assunto e nem sei por onde começa, gostaria de uma ajuda para aprender a investir certo, por favor me ajude, inicialmente quero começar a investi R$ 1.000,00 como em que posso aplicar este dinheiro sem que precise fazer imposto de renda, obrigada desde já. Att Cris Carvalho

  • Cássia

    Adorei o post, muito informativo e claro.
    estou pesquisando formas mais rentaveis de investimento e seu post me ajudou a conhecer novas alternativas que agora vou pesquisar masi a fundo.
    Parabens e obrigada

  • Marcelino Gonzaga

    Oi Diego tenho 20.000,00 e gostaria de aplicar qual é a melhor aplicação para mim?

  • tiago

    Olá.Recentemente o meu gerente do banco do brasil me aconselhou a migrar uma aplicação, em torno de 100000,00,do LCI para FIX II da Brasil Prev, com a justificativa que esse fundo tinha um melhor rendimento.Na ocasião o gerente me falou que apos 6 meses de carência, o carregamento seria zerado, e apenas a taxa de administração seria cobrada.Você acha que fiz uma boa escolha?
    Serei grato com a sua resposta.
    Tiago.

  • Celso

    Excelente post, porem sou completamente leigo no assunto, e gostaria de saber mais em questão de valores
    tipo tenho 50 mil para investir, quanto seria essa renda fixa ?? e qual seria o melhor investimento pessoa fisica???

  • fabio

    Olá, Diego,

    Belo texto, que dá visão detalhada do funcionamento e permite à pessoa escolher o que for melhor pra ela. Só faço 3 considerações:

    – podia ter falado sobre os COEs. São mais novos que os 7 citados, mas tendem a ficar populares em pouco tempo;

    – você citou o CDB Direto, que pertence a um banco. Melhor seria dizer que uma corretora oferece CDBs de várias instituições financeiras, com taxas das mais diversas possíveis;

    – o mercado costuma dizer que as aplicações indexadas à inflação protegem o investidor e dão uma rentabilidade real. Dá impressão de que as outras modalidades não fazem isso. Geralmente, um prefixado e um pós atrelado ao CDI acabam rendendo ou de forma semelhante ou até mais, já que a Selic costuma ser sempre maior que a inflação – pelo menos desde 1994 o é!

    Grande abraço,

  • pedro

    excelente!!