Tudo o que você sempre quis saber sobre fundos de investimento

Com o novo cenário da economia brasileira, os fundos de investimento ganham cada vez mais força. São bastante atrativos por oferecerem alta liquidez, maior possibilidade de diversificação e trazer ao investidor uma excelente rentabilidade. Vamos entender tudo sobre eles?

Ideais para quem não tem tempo para administrar investimentos, os fundos, trazem ainda, a possibilidade de empregar capital em aquisições de alto valor agregado. Isto significa que, mesmo com pouco dinheiro, você consegue investir com eficiência e projetar ótimos lucros futuros.

No entanto, definir entre as tantas opções disponíveis no mercado pode ser uma árdua tarefa para o investidor iniciante. Por isso, no post de hoje, vamos tirar todas as suas dúvidas e falar – simplesmente – tudo o que você sempre quis saber sobre fundos de investimento. Boa leitura!

O que é e como funciona

Fundos de investimento são um conjunto de diferentes aplicações onde cada investidor compra uma cota. Vamos usar como exemplo um condomínio: Cada cotista é proprietário de um “apartamento” e paga-se uma taxa ao administrador (“zelador”) para cuidar das tarefas necessárias.

Young teacher pointing light bulb on blackboard background

Em um prédio você usufrui dos benefícios, sem ter trabalho com isso, e a despesa é apenas uma porcentagem do custo. No fundo, também é assim. Toda responsabilidade fica a cargo do gestor da conta e os custos são proporcionalmente distribuídos, de acordo com a cota de cada um.

O objetivo é obter maiores ganhos a partir da valorização do patrimônio ou bem adquirido. Além disso, o investimento coletivo permite aplicações em diferentes ativos, de variados graus de risco e retorno, sem precisar de grandes montantes para começar. Muito interessante, não é mesmo?

Vantagens

Como vimos, a diversificação e a gestão profissional são algumas das vantagens de aplicar em fundos de investimentos. Outro ponto interessante é que o gestor recebe pelas taxas de administração e também pelo nível de performance, o que significa alinhamento aos interesses do cliente.

Com um bom resultado você irá ganhar mais e o profissional também. Por isso, investir em fundos é muito mais simples do que comprar por conta própria. Não é preciso saber qual o melhor tipo de aplicação, pois alguém cuidará de tudo para você  e com os melhores produtos do mercado.

Para quem quer investir em ações, renda fixa, mercado cambial, etc., mas não sabe como começar ou até mesmo não tem capital suficiente para investir em todas essas opções, os fundos de investimento são uma excelente alternativa. Veja mais sobre sua lista de vantagens:

  • Gestão profissional
  • Diluição de custos e riscos
  • Diversificação
  • Baixo valor para começar (a partir de R$ 100)
  • Gestor e investidor = Interesses alinhados
  • Facilidade
  • Simplicidade

Como investir

Para começar, a primeira coisa que o investidor deve fazer é escolher o fundo de acordo com o seu perfil e objetivo. Escolha com cautela a instituição financeira – banco ou corretora – gestor e o fundo que deseja investir para que estejam perfeitamente alinhados com a sua expectativa.

Portrait of investment advisor businesswoman sitting at office in front of computer and consulting with young professional man.

Feito isso, é preciso verificar quais os procedimentos exigidos para poder iniciar as aplicações. Normalmente, as empresas solicitam apenas o preenchimento de uma ficha cadastral, cópia dos documentos, como RG e CPF e a abertura de uma conta-corrente.  

Verifique também os custos, como taxas administrativas e valores por performance, pois eles podem ter um grande impacto na sua rentabilidade. A partir de então, toda a parte operacional e burocrática, fica a cargo da instituição escolhida, inclusive o recolhimento de impostos.

Tipos de Fundos

Existem diversos tipos de fundos de investimento, divididos em várias categorias, de acordo com o tipo e risco. São normatizados e classificados conforme a Instrução 555 da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), em vigor desde 1º de outubro de 2015, e funcionam em quatro classes:

  • Fundos de Renda Fixa: São fundos de curto prazo que investem em títulos de renda fixa, ou seja, você sabe que receberá uma quantia em um determinado período.
  • Fundos de Ações: De longo prazo, são aplicados em ações de empresas negociadas na Bolsa de Valores. São uma excelente maneira de acumular patrimônio para uma futura aposentadoria.
  • Fundos cambiais: Estão relacionados à variação dos preços das moedas estrangeiras ou taxas de juros. Geralmente, a escolha é maior pelos fundos cambiais de dólar.
  • Fundos multimercado: A ideia do fundo multimercado é diversificar a carteira com aplicações diferentes, como renda fixa, ações, câmbio, entre outras, para diminuir o risco e aumentar a rentabilidade.

Antes de optar por alguma modalidade, faça uma comparação entre os tipos de fundos de investimento e veja qual é o mais adequado ao seu perfil. Não esqueça de consultar também os valores das taxas administrativas e de solicitar o prospecto para leitura antes de fazer a contratação. Combinado?

Passo a passo

Agora que você já sabe tudo sobre este tipo de aplicação financeira, preparamos um passo a passo que irá ajudar na sua jornada e também para relembrar alguns aspectos do que vimos hoje. Quando a dúvida surgir, consulte este guia prático e tenha muito sucesso nos seus investimentos!

Passo 1 – Planeje-se: Isso quer dizer que você deve poupar, ter um objetivo bem claro e saber como atingi-lo. O fundo de investimento é apenas um meio para alcançar sua meta. Por isso, faça a você mesmo a seguinte pergunta: Quando precisarei utilizar os recursos investidos?

Passo 2 – Abra uma nova conta:  Para aplicar dinheiro no fundo é preciso abrir conta em uma instituição financeira. Há opções em bancos e também em corretoras. As corretoras possuem boas alternativas com valores menores, por exemplo. Portanto, pesquise bem antes de começar.

Passo 3 – Escolha bem o fundo: Investir é uma maneira de alcançar um objetivo, um sonho, uma meta. Sendo assim, o fundo deve estar de acordo com tudo isso. Você quer fazer um curso daqui poucos meses ou quer acumular patrimônio para daqui 10, 20, 30 anos? Analise o que deseja.
Passo 4 – De olho no custo: A taxa de administração do fundo pode impactar muito no resultado. A dica então é buscar opções com taxas mais baixas, principalmente se forem fundos de curto prazo, como os de renda fixa, pois a tarifação pode pesar bastante no ganho final.

Passo 5 – Atenção aos riscos: O risco de um fundo pode ser avaliado de muitas formas. A mais utilizada é a da volatilidade, um indicador que mostra oscilações na rentabilidade. Neste caso, quanto maior a volatilidade, mais imprevisível será o lucro de um fundo, portanto, seu o risco é maior.

Espero que tenha gostado das dicas! Um grande abraço até a próximo post!

 

Marcello Vieira

Médico por formação, é investidor profissional há 10 anos e há 3 criou a metodologia Investidor de Sucesso, que ensina pessoas comuns a investirem no mercado financeiro de um jeito fácil e eficiente. Depois de alcançar a independência financeira, decidiu deixar o atendimento em consultório para dedicar-se a auxiliar outras pessoas a serem livres financeiramente.