Cálculo do preço médio de ações no imposto de renda

Este texto faz parte do ebook “Imposto de Renda na Bolsa” –  acesse a versão completa aqui.

Se escolher o investimento certo já é difícil, a hora de fazer o cálculo do preço médio de ações para declarar o imposto de renda, é outro desafio à qualquer investidor.

Pelo menos para mim, as dúvidas sempre aparecem, e mesmo já trabalhando com isso há alguns anos, é comum eu ter de pesquisar antes de responder uma dúvida de algum investidor, ou até mesmo preencher minha própria declaração.

Um ponto que pesquisei recentemente foi justamente sobre o cálculo do preço médio de ações para fazer apurar o imposto devido. Percebi que não existe nada explicando como isso deve ser feito, e além disso ainda encontrei algumas pessoas indicando a “estratégia” de abaixar o preço médio. Resolvi então escrever este artigo, que espero que ajude você como ajudou a mim!

Preço Médio de Ações
“Fazendo Download da resposta. Tempo restante estimado 04:14”

Antes que você fique confuso com os cálculos e com a quantidade de passos para encontrar seu preço médio de ações, fica uma dica: nossa Calculadora de IR faz o cálculo automaticamente do preço médio das ações em sua carteira e já prepara o relatório que você deve informar na sua declaração de imposto de renda.

Apesar de o conceito não ser tão complicado, calcular o preço médio de uma ação envolve algumas etapas:

  1. Determinar quais são seus custos por ordem executada;
  2. Calcular o custo médio das ações de cada ordem;
  3. E finalmente: calcular o preço médio de ações em toda sua carteira.

Antes de entrar nestas etapas, você já deve estar se perguntando:

Por que eu iria querer calcular o preço médio de minhas ações?

Para começo de conversa, o cálculo do custo médio de ações é fundamental para você saber quanto deverá pagar de imposto de renda, mas ele não serve só para isso. Calcular o preço médio de compra de suas ações também é necessário para você determinar quanto teve de lucro líquido, o que no final das contas, é o mais importante para qualquer investidor.

Ainda é comum saber de investidores que realizaram centenas de operações na bolsa de valores, porém não perceberam que os custos totais de corretagem e taxas, na realidade foram muito maiores que seu “lucro”. É daí que vem o conceito de lucro líquido, que é o seu lucro descontando todos os custos operacionais que você teve.

Agora vamos aos passos para você calcular seu próprio preço médio:

1. Determine quais foram seus custos operacionais

Para comprar um um lote de ações, você deve especificar quanto deseja pagar por cada uma delas. Por exemplo, pagar R$ 20,50 por 100 ações PETR4. Estes R$ 2050,00 será quanto o vendedor irá receber e o valor pelo qual a ordem será executada. Uma vez executada a ordem, você poderia afirmar “comprei um lote de de PETR4 (Petrobras) que me custou R$ 20,50 por ação”?

A resposta é não! E aí já entra o conceito de preço médio de ações:

Além dos R$ 2.050, você teria que pagar a taxa de corretagem de sua corretora de valores, emolumentos , ISS e outras taxas da Bovespa:

  • Emolumentos, taxas de registro e liquidação: cobrados pela Bovespa ou CBLC, para cobrir os custos de operacionalização e liquidação de suas operações. As taxas são padrões para todos os investidores;
  • Taxa de corretagem: cobrada pela sua corretora pelos serviços prestados pela mesma. Cada corretora tem sua própria política de cobrança, dependendo da qualidade e variedade de serviços prestados;
  • Taxa de Custódia: cobrada pela corretora pela guarda das ações, costumam variar de zero a R$21,60 ao mês;
  • ISS (Imposto Sobre Serviços): costuma ser repassado por algumas corretoras ao cliente.

Para definir seus custos operacionais, basta olhar sua nota de corretagem, ou perguntar a sua corretora quantos você terá que pagar de corretagem e taxas.

Por isso, pedimos que o investidor cadastre sua corretora e estas informações ao iniciar o uso de nossa Calculadora de IR. Assim é possível incluir estes custos em todas as operações cadastradas em sua carteira futuramente.

2. Determinar o preço que você de fato pagou em suas ações

Imagine que após apurar os custos operacionais, encontramos que eles totalizaram R$ 50. Neste caso, teríamos pago de fato:

(R$ 2.050 + R$ 50) / 100 = R$ 21,00 por ação!

Portanto, esta operação só dará lucros se vendermos as ações da Petrobras por algo superior a R$ 21,00. Acha que R$ 0,50 é pouco? Isso representa uma valorização de 2,3% que a ação deve ter, antes de o investidor começar a ter lucros…

Perceba que este é o preço médio das ações desta operação. Caso você não tenha nenhuma outra ação PETR4 em sua carteira, este já seria o preço médio que estamos procurando. No entanto, é muito comum que você compre ações que já tenha em sua carteira, e por um preço diferente do que pagou anteriormente. Isso nos leva ao próximo e último passo:

3. Cálculo do preço médio de ações em sua carteira

preço médio de uma ação
“Você deve resolver este problema por conta própria. Não pode chamar o suporte técnico.” (Pela Calculadora de IR do Bússola você pode!)

Para este passo, você deve realizar o passo anterior para todas as operações realizadas com o ativo em questão, que deixaram um saldo em aberto em sua carteira. Este passo é o que irá resultar no preço médio de ações para a apuração do seu Imposto de Renda.

Alguns investidores pensam erroneamente em vender primeiro as ações compradas por um preço maior, achando que isso gerará um imposto menor. Isso não ocorre, já que a Receita não utiliza esse conceito.

O investidor deve pensar em suas ações como um estoque único. Ao realizar uma venda, não é possível “escolher” quais ações você vende: as mais antigas ou as adquiridas mais recentemente. Por isso o conceito de considerar um preço único para cada ativo que você tiver, independentemente da data de aquisição.

Para facilitar, veja um exemplo com operações de compra da ação da PETR4 (Petrobrás):

a. Compra de 100 ações por R$ 9,00 em 03/02
Corretagem: R$20,00
Outras taxas: R$1,50

b. Compra de 100 ações por R$ 12,00 em 05/02
Corretagem: R$20,00
Outras taxas: R$1,70

c. Compra de 200 ações por R$15,00 em 10/02
Corretagem: R$20,00
Outras taxas: R$3,60

Com esses dados, o investidor deve primeiro calcular o preço de aquisição de cada operação (item 2 deste artigo):

a. [ ( 100 x 9,00 ) + 20,00 + 1,50 ] / 100 = 9,215
b. [ ( 100 x 12,00 ) + 20,00 + 1,70 ] / 100 = 12,217
c. [ ( 200 x 15,00 ) + 20,00 + 3,60 ] / 200 = 15,118

Portanto, esses foram os valores efetivamente pagos por cada ação em cada operação. Para saber o preço médio, basta fazer a média ponderada:

a. Em 03/02: 9,215
b. Em 05/02: [ ( 9,215 * 100 ) + ( 12,217 * 100 ) ] / 200 = 10,716
c. Em 10/02: [ (10,716 * 200 ) + (15,118 * 200 ) ] / 400 = 12,917

Assim, em 10/02, o investidor tinha 400 ações PETR4, com preço médio de R$ 12,917

Perceba que caso houvesse uma venda antes da terceira compra, o preço médio em “b” não seria afetado. No entanto, o preço de uma nova compra teria mais peso, já que seu estoque seria menor, afetando a média ponderada. Vamos dar um exemplo:

Suponha que a venda a seguir foi executada antes da terceira compra:

b2. Venda de 50 ações por R$ 11,50 em 05/02
Corretagem: R$20,00
Outras taxas: R$0,86

Nesse caso, após a venda, o Preço Médio de sua posição continuará sendo R$ 10,716. Porém o estoque de ações, que antes eram 200, passarão a ser 150. No momento da terceira compra, o novo cálculo do preço médio seria:

c2. Em 10/02: [ (10,716 * 150 ) + (15,118 * 200 ) ] / 350 = 13,231

Veja que o preço médio das ações no dia 10/02 passou de 12,917 para 13,231 embora não tenha sido feita nenhuma nova compra.

Agora que você já sabe como fazer o cálculo do preço médio de suas ações corretamente, vamos falar de um último tópico. A chamada “estratégia de abaixar o preço médio”.

Vale a estratégia de reduzir ou abaixar o preço médio das ações que eu tenho?

NÃO!!!

NÃO pense que abaixar o preço médio irá aumentar seus lucros...
NÃO pense que abaixar o preço médio irá aumentar seus lucros…

Para quem não está familiarizado com essa ideia nada genial, abaixar o preço médio é quando o preço das ações que você tem em carteira caíram, e você não contente com isso, compra mais destas ações. A expectativa de reduzir o preço médio das ações em carteira, cria uma falsa sensação de que você pagou mais barato em suas ações, o que não é verdade!

Se o sujeito pagou R$ 100, e agora vale R$ 50, comprar mais destas ações não irá fazer o prejuízo da primeira compra ser menor. O investidor pode até ter lucro com as compras seguintes, no caso de o preço subir acima do valor comprado posteriormente, porém esta é outra operação, com outro preço, que teria lucros maiores caso a primeiro operação à R$ 100 não tivesse sido realizada.

Essa chamada “estratégia de reduzir o preço médio” não tem nada de estratégia. Na realidade é uma consequência da falta de preparo do investidor em reconhecer que errou. Assim como é explicado no excelente artigo do blog Trend Following, esta atitude é uma grande armadilha para o investidor, independente de seus objetivos.

Ao invés de apostar ainda mais suas fichas em um investimento que deu errado, um investidor consiente, deve analisar a situação da empresa e determinar se deve:

  1. Realizar os prejuízos agora, antes que os preços caiam ainda mais, ou
  2. Manter as ações, caso perceba que os preços caíram demais

Lembre-se o preço médio das ações é somente útil para fins tributários e para mensurar seu seu lucro. Ele nunca deve ser considerado em suas decisões de investimento!!

Quer saber mais sobre as outras etapas para calcular e declarar seu imposto de renda na bolsa de valores?

Então confira o Guia Completo do IR na Bolsa aqui!

Diego Wawrzeniak (@diegowrz) é autor do Guia do Imposto de Renda na Bolsa. Trabalhou no mercado financeiro e é economista pela FGV. Além de finanças, também é apaixonado por empreendedorismo, inovação e conversar com outros investidores.

  • Ricardo

    Algo que já pesquisei muitíssimo e não encontro definição, inclusive da Receita Federal que é bem vaga:
    Compro R$ 10,00 em uma ação da empresa A. E na mesma nota de corretagem, compro R$ 90,00 em uma ação da empresa B. Minha corretora tem corretagem fixa, R$ 15,00. Vamos supor que custos da Bolsa e outras taxas sejam de 0,00. Na nota de corretagem aparece como Corretagem o valor de 30,00. Como calcular o preço médio?
    A: 10,00 + 15,00 = 25,00 ou
    A: 10,00 + o percentual do valor de A em relação à compra total da nota, ou seja 10/ (10+90), multiplicado pelo custo total de corretagem: 30,00. Então: 10,00 + (10/100)*30 = 13,00.

  • antonio carlos bindi

    Gostaria de saber qual valor do preço de compra de uma ação que tenho a mais de vinte anos e agora quero vendê-la.
    Objetivo é calcular o imposto de renda devido….

    • Olá Antonio Carlos,

      Recomendo a leitura do último tópico deste post:
      http://blog.bussoladoinvestidor.com.br/ficando-em-dia-com-a-receita/#43

      Para o caso de posições muito antigas na carteira é recomendável o uso da Regra de Isenção dos R$ 20 mil na eliminação. Caso um investidor pessoa física venda menos de R$ 20 mil de ações em um mês o lucro com estas vendas é isento, desde que tenha sido gerado por operações não day-trade.

      Atenciosamente

    • Jose Ronaldo Alves

      Ola´Diego, a minha pergunta e a seguinte: Meu sogro comprou varios lotes de açoes do B.B. entre os anos 1987 e 1993. Agora fez uma venda de todos os lotes. Preciso apurar o custo de compras e não
      sei como conseguir para apurar o I.R.Como consigo esta informação com precisão?
      Desde já agradeço a atenção.

  • Marcelo

    Olá. Uma duvida referente ao preço, médio das ações. Suponha que eu tenho 200 ações de uma empresa em carteira no valor de 10,00, mas faço Day trade com elas fazendo uma venda e comprando novamente a 9,50 mantenho a posição. Tenho que fazer a media? Penso que não, pois foi operação Day trade.

    • Olá Marcelo,

      Você não precisará atualizar seu preço médio com as operações day-trade. Um passo a passo para não fazer confusão seria:

      1 – Separar as operações day-trade do dia e calcular o imposto;
      2 – Separar as operações restantes (não day-trade) entre eliminações (para estas calcula-se o ganho de uma vez, atualiza a quantidade e valor total do estoque, não altera preço médio) e novas posições / aumento de posições.
      3 – Para as novas posições e aumento de posições calcular ou atualizar o preço médio do estoque.

      Atenciosamente

  • Ricardo

    Olá amigo, parabéns pelo post. Apenas uma observação no tópico II onde explica o calculo do custo da ação, o ISS e taxa de custódia não podem ser lançados no calculo do preço médio, o ISS é recolhido pela corretora e a taxa de custódia é paga mês a mês e portanto não incide no preço de compra. também no Tópico II você deve considerar as taxas de venda da ação antes de definir o preço mínimo de venda, portanto no seu exemplo o valor ideal para venda não seria 21,00 mas sim o preço médio deste valor considerando as taxas de venda.
    Abraço

  • zecamerda

    Diego uma duvida muito interessante que pode interessar aos leitores. Exemplo:

    Possuo 260 ações do BB a um preço médio ponderado de 22,99 * 260 = R$ 5.977,21. Lancei 200 opções dessas ações com preço de exercício a 27,25 recebendo como premio liquido da nota R$ 101,44. Fui exercido a 27,25 onde descontado demais custas deu-se 27,19 * 200 = R$ 5.438,33. Como se calcula para efeito de recolhimento de DARF neste caso, uma vez que a posição vendida é inferior a posição de compra dando um resultado negativo:
    A) devo considerar o total de venda do exercício R$ 5.438,33 ( 27,19 * 200) menos o preço médio de aquisição (22,99 * (260-60) ) com resultado de R$ 4.598,00, deixando de fora as outras 60 ações ou;

    B) ou existe uma outra forma de calcular o preço médio em cima das 200 ações uma vez que foram adquiridas 260 para depois então apurar o valor do DARF se o resultado for positivo?
    Um grande abraço e desculpe pelo longo texto :)

    • Olá Zecamerda, caso ainda tenha dúvida sobre este ponto peço que faça um novo comentário com a mesma dúvida que te dou a resposta nele.

      Peço desculpas por te responder assim, mas estou usando este método nos comentários antigos para não responder dúvidas que já foram resolvidas.

      Atenciosamente

  • Rony

    Diego, a taxa de custodia e o iss entram no preco medio e no calculo do IR?

    • O iss sim, pois é cobrado por ordem. Porém a taxa de custódia, por não estar diretamente relacionada a uma operação, é recomendado deixa-la de fora da conta. Abraços

  • Diego,

    Pela primeira vez, permita-me discordar de você.

    Reduzir preço médio de um ativo pode, sim, ser uma estratégia. Ela só não faz sentido se você fizer seus investimentos com base em análise técnica.

    Agora, se você for um investidor fundamentalista, faz total sentido. A lógica seria, ora, se você comprou ações de uma empresa que considera promissora por R$ 20, se nada foi alterado em seus fundamentos, é melhor ainda comprá-la por R$ 15.

    Claro que quem é grafista abomina este tipo de pensamento. Mas faz total sentido parea o fundamentalista.

    Outra coisa que você não comentou é a estratégia oposta, de elevar o custo médio para pagar menos Imposto de Renda, também válida para quem mantém ações em carteiras por longo prazo.

    http://www.ricodinheiro.com.br

  • Marcelo Gatteli Holler

    Diminuir o preço médio de uma ação, desde que seja um ativo de qualidade, pode ser uma boa estratégia. Principalmente para quem paga corretagem fixa. Você pode adquirir um número maior de lotes. e vender ao final, no momento ideal, pagando apenas uma corretagem. Cada vez que alguém faz uma venda, ele perde algum dinheiro, pelos custos da operação. Fazer muitas operações de venda, ainda mais assumindo prejuízos, não me parece um bom negócio, mesmo que seja para tentar realocar o dinheiro em outra operação melhor. Mas essa é a opinião de alguém que não vive de investimentos, e não tem obrigação de ter lucros todos os meses, e nem pode acompanhar o mercado para isso. Meus investimentos são para minha aposentadoria. Quem é investidor profissional deve ter estratégias diferentes, acho que o que é bom para alguns não é para todos. Isso deve ser levado em consideração.

    • Olá Marcelo,

      Obrigado por compartilhar sua opinião!

      Uma pessoa que paga uma corretagem fixa de R$ 10, e executa uma ordem de R$ 4.000, precisará de uma valorização de 0,25% no preço da ação para cobrir estes custo.
      Como é normal que as ações variem bam mais do que isso em um único dia, não é uma boa estratégia deixar de vender uma ação que não vai bem por conta de economizar nos custos de corretagem. Já que se a ação cair 1% no dia, o investidor perderá muito mais…

      Abraços,

  • Hermelindo

    Diego,

    Seu artigo está muito bom pois explica tudo em linguagem simples.

    Porém ficou um ponto obscuro: ou você se enganou ou eu não entendi o parágrafo onde você fala: “Veja que o preço médio das ações no dia 10/02 passou de 12,917 para 13,231 embora não tenha sido feita nenhuma nova compra.”

    O valor somente mudou para 13,231 porque foram compradas mais 200 ações em 10/2! Aliás em outro local, você comenta que estamos calculando preço médio de compra e portanto, somente operações de compra vão entrar no cálculo.

    • Olá Hermelindo!

      Talvez eu tenha me expressado mal nesta frase, deixe-me explicar melhor: quando me escrevi “não tenha sido feita nenhuma nova compra”, eu quis dizer “nenhuma nova compra em relação ao exemplo anterior”.

      Perceba que a última compra realizada no 1º exemplo é exatamente igual à última compra do 2º exemplo, só que após uma venda.

      As vendas de fato não alteram o preço médio, porém alteram o saldo de ações em carteira, e deste modo a próxima compra altera o preço médio para um valor diferente do 1º exemplo.

      Abraços,

      • Lucas Brito

        Boa noite, Diego.

        Uma dúvida:

        Como a venda não altera o preço médio, se ela diminui a quantidade de ações e estas estão atreladas a um preço de compra, e ambos (quantidade e preço de compra) compõe o preço médio?

        Fui informado pela corretora que, se eu tenho “n” compras, a quantidades e preços diferentes,e faço uma venda, é deduzida a compra mais antiga (conceito de controle de estoque – PEPS), isso não é importante para auferir resultado principalmente em uma venda parcial em um cenário de prejuízo?

        • Olá Lucas,

          Sua corretora te passou uma informação equivocada. O correto é usar sempre a metodologia de Preço Médio e não PEPs (FIFO) ou UEPS (LIFO).

          A redução da posição (venda para posições compradas e compra para posições vendidas) não altera o preço médio porque altera a quantidade em estoque e o valor total em estoque proporcionalmente. O preço médio, que é calculado por [QUANTIDADE / VALOR] não muda porque a o valor do “estoque” restante de ações diminui proporcionalmente a quantidade vendida.

          Atenciosamente

  • Warren Buffet

    É obvio que você não deve realizar prejuízos quando ações caírem. Aumentar a posição é uma estratégia correta sim, desde que o ativo em questão seja um bom ativo. Na verdade esta é a melhor estratégia em longo prazo e chama-se rebalanceamento de carteiras.

    • Olá amigo Warren Buffet!

      Eu discordo de você: não é obvio que se as ações caírem você deve continuar com elas em sua carteira, muito pelo contrário.

      No caso de suas ações começarem a cair, você antes de chegar em alguma conclusão deve reavaliar e entender o que está fazendo com que suas ações percam o valor. Dependendo da sua conclusão você chegará em cenários diferentes, porém nenhum deles é obvio:

      1. Conclusão de que o cenário mudou e é melhor você vende-las antes que caiam ainda mais.
      2. Conclusão de que talvez você ainda tenha razão, e pode ser que a empresa se recupere.
      3. Conclusão de que o mercado inteiro está errado, e que você deve comprar ainda mais ações daquela empresa.

      Sem discutir os méritos de cada uma, vale lembrar que “investir no longo prazo” não é desculpa para ter prejuízo na sua carteira de ações. É sempre melhor reconhecer os erros do que simplesmente ignora-los.

      Abraços,

      • Warren Buffet

        Sua visão é bonita e tudo. Mas, seguindo-a, eventualmente vai levar você a vender suas ações com 80% de perdas em momentos de crise, como já aconteceram várias. E depois, quando a crise passar você verá as mesmas ações que você vendeu subindo 150%, como aconteceu várias vezes.

        Veja bem, se você adquiriu posição em uma ação, foi porque você analisou e chegou a conclusão que é um bom ativo para investir, os ciclos mudam, uma hora este ativo abaixa de preço outra ele sobe e você nunca vai adivinhar quando isso vai acontecer. O melhor a fazer é diversificar a carteira como um todo e não ficar fechando posições apenas porque o cenário mudou.

        Até porque todas essas análises pontuadas por você acima levam tempo para serem realizadas, e as pessoas precisam de tempo para outras coisas além do mercado, como trabalho, família, etc.

        Abraço.

        • Entendi este seu ponto, neste caso estamos falando a mesma coisa.

          Concordo que o investidor não deve vender suas ações em um momento de crise de maneira desesperada. Porém como você colocou, as coisas mudam e os ciclos mudam. Sendo necessário sempre reavaliar os cenários e estratégias, antes de tomar a decisão de comprar, vender ou manter.

          Abraços!

  • disqus_BpX1QLL1yJ

    Diego
    Se voce fizer as somar o que voce gastou para as tres compras de ações ( 5.166,80) e subtrair o quanto voce recebeu pela venda (595,86) voce terá o custo até a última operação (2 compras, 1 venda e outra compra) que seria de 4.570,94. O mesmo procedimento com o número de ações (100 + 100 – 50 + 200), mostra um total de 350 ações remanescentes. Dividindo o total gasto até a última operação (4.570,94) pelo número de ações remanescentes (350) fornece o preço médio (13,059) da operação até o momento.
    No final zerando a posição, o lucro/prejuizo será dado pela diferença de quanto foi gasto para adquirir o ativo e o quanto recebeu pela venda.
    Sds
    Ricardo

    • Olá!

      Acho que entendi o seu raciocínio, porém existe um ponto que o torna errado.

      Aqui estamos calculando o preço médio de aquisição dos ativos. Perceba que você misturou um valor de venda aí no meio, ao subtrair ele do valor das compras, e assim encontrar esses R$ 4.570,94. O valor da venda não está relacionado à quanto você pagou pelas ações, e portanto não deve entrar nos cálculos.

      A única maneira em que a venda impacta é pela quantidade de ações vendidas.

      O preço médio de aquisição é necessário para apurar seu lucro, sem levar em conta a ordem das compras e vendas que você executou. Deste modo a Receita é indiferente se você vende as ações que tem há mais ou há menos tempo.

      Abraços,

      • disqus_BpX1QLL1yJ

        Diego
        Obrigado por sua resposta.
        Voce conseguiu através de exemplos explicar aquela confusa descrição de cálculo de preço médio na página da receita, principalmente quando é vendida apenas uma parte do ativo e uma compra posterior.
        Se me permite emendo mais uma pergunta: com relação a lucros/prejuízos com opções, entram no cálculo de preço médio?
        Sds
        Ricardo

        • Olá Ricardo,

          Fico feliz que tenha ajudado!

          Quanto aos resultados de opções, veja que independente do ativo, os resultados (lucro e prejuízo) não são considerados no cálculo do preço médio. São levados em conta somente: i) quanto você pagou, ii) os custos que teve e iii) o saldo que você já tinha em carteira deste mesmo ativo.

          Abraços,

          • disqus_BpX1QLL1yJ

            Boa noite Diego

            Pode mais uma?

            E com relação a venda de direitos de subscrição?
            Pode ser visto como uma compra e venda pelo mesmo preço?
            Como ficaria então o cálculo do preço médio?

            Ooops, foi mais de uma…

            Sds

            Ricardo

          • Olá Ricardo,

            Veja esta explicação em nossa área de Ajuda:
            http://ajuda.bussoladoinvestidor.com.br/article/AA-00241/15/D%C3%BAvidas-sobre-a-Calculadora-de-IR/Como-Funciona/Como-cadastro-direitos-de-subscri%C3%A7%C3%A3o-e-o-exerc%C3%ADcio-deles.asp

            É sobre como cadastrar um direito de subscrição em nossa calculadora, porém também vale para o cálculo:

            “Caso você receba algum direito de subscrição, faça o cadastro do mesmo como se fosse uma ação, selecionando a opção “Sem corretagem e outros custos” e custo de aquisição zero. Com ele na sua carteira, você pode dar baixa caso faça a venda na bolsa, da mesma maneira que cadastraria a venda de uma ação.

            Caso você exerça o direito, deve ser cadastrada a venda do mesmo e a compra da ação, sempre selecionando a opção “Sem corretagem e outros custos”. Caso haja ocorrido algum pagamento para o exercício, esse valor deve ser utilizado no campo “Preço”.

            Ao cadastrar a venda do direito, a opção “Exercício de opção ou subscrição/vencimento de Futuro” deve ser marcada, para que a mesma não seja considerada no cálculo da isenção do imposto de renda.”

            Abraços,

          • disqus_BpX1QLL1yJ

            Diego

            E o cálculo do preço médio, como fica?

            Se compro o direito a subscrição eu agrego o novo lote pelo preço pago e recalculo o preço médio como nos seus exemplos acima?

            E se vendo o direito, agrego o lote por custo zero e vendo em seguida? Calculo o preço médio também como nos seus exemplos acima?
            Como fica o “lucro” sobre esta operação neste caso já que o valor da venda do direito é bem inferior ao preço (médio) de aquisição?
            A operação de venda de direitos sempre será negativa (prejuízo) aos olhos da receita?

            Sds

            Ricardo

          • Oi Ricardo,

            Como explicado acima, você deve considerar que o preço de aquisição foi R$ 0, o que irá diminuir o preço médio. As vendas não afetam o preço médio.

            Abs,

          • disqus_BpX1QLL1yJ

            Boa tarde Diego

            Estou entendendo que para a venda do direito devo incorporar uma compra (ficticia) com custo zero. Isto nos novos cálculos, vai baixar o preço médio. Entretanto na verdade estou é vendendo o direito a um preço que é muito inferior ao preço médio recalculado com esta aquisição (ficticia) a custo zero.
            Aí que vem a questão: sempre para esta venda de direito vou estar auferindo prejuizo pois a diferença entre o valor de venda e o preço médio (usado como parâmetro de lucro/prjuizo) será sempre negativo. É isto mesmo?

            Sds

            Ricardo

          • Se você for apurar o resultado pelo preço médio (como é para fins tributários), sim você terá prejuízo nesta operação. Porém perceba que como seu preço médio abaixou, seu lucro nas próximas operações também será maior.

  • Renato Silveira

    Obrigado, me ajudou bastante aqui!
    Já uso a Calculadora de vocês, mas precisava fazer o cálculo do preço médio para bater com meus controles pessoais.