Alavancagem, utilize com moderação!

Nesse artigo falaremos de um dos conceitos mais importantes do mercado futuro, a alavancagem.

Mas por que esse conceito é tão importante a ponto de merecer um artigo só para ele?

Simplesmente porque a alavnecagem pode quebrar qualquer investidor que a utilizar do modo errado.

Por que usar alavancagem?

alavancagemaPor outro lado, também pode ser extremamente benéfico ao investidor que estiver atento ao risco de suas operações.

Alavancagem tem sua origem na palavra “alavanca” que na física é representada por uma barra rígida apoiada em um ponto fixo (ponto de apoio) utilizada para levantar grandes pesos.

Um homem comum não consegue levantar uma pedra de 200 kgs somente com a força do braço, mas se fizer uma alavanca com uma barra e um ponto de apoio ele consegue. Como diria Arquimedes:

“Daí-me um ponto de apoio e levantarei o mundo”.

Transplantando a palavra alavanca do contexto da física para o do mercado financeiro, o significado passa a ser o de operar volumes financeiros acima do patrimônio ou capacidade financeira do investidor. Ou seja, operar grandes volumes com poucos recursos.

Transformando pouco em muito

No mercado futuro o conceito de alavancagem é facilmente reconhecido pela relação entre a margem de garantia e o valor do contrato futuro. Lembrando dos artigos anteriores vimos que o valor da margem de garantia para um contrato cheio do Índice Futuro com vencimento em dez/12 (INDZ12) era de R$ 10.258 no dia 25/out/12.

Nesse mesmo dia a cotação do INDZ12 estava em 58.200, ou seja, um contrato do INDZ12 tinha o valor financeiro relativo de R$ 58.200.

Com esses números podemos visualizar a alavancagem propiciada pelos contratos futuros. Com o depósito de R$ 10.258 como margem de garantia o investidor consegue operar um valor proporcional de R$ 58.200. A mesma relação pode ser vista no mini-índice (WINZ12). Com margem de garantia de R$ 2.052 e valor do contrato de R$ 11.640, equivalentes a 20% de um contrato cheio.

Fator de Alavancagem

Dividindo o valor do contrato pelo da margem chegamos ao fator de alavancagem que calculado com os dados acima é de 5,6 (R$ 58.200 / R$ 10.258). Esse fator significa que o investidor consegue operar no mercado futuro uma quantia até 5,6 vezes maior que o valor depositado como margem.

Por exemplo, um investidor que depositou R$ 10.000 como margem de garantia consegue operar quatro mini-contratos WINZ12, arredondamento para baixo de R$ 10.000 ÷ R$ 2.052.

Esses quatro mini-contratos teriam um valor financeiro relativo total de R$ 46.560 (4 x R$ 11.640). Nessa operação o fator de alavancagem seria de 4,6 e não 5,6 em virtude do arredondamento.

Benefício x Risco

Alguns investidores já devem estar pensando: tenho o equivalente a R$ 20.000 em ações no mercado à vista, vou vendê-las e operar mini-contratos no mercado futuro, pois com esse mesmo valor opero o equivalente a R$ 104.7601. O investidor pode muito bem fazer isso, principalmente se estiver objetivando alavancar bastante suas operações.

Mas nunca esqueça que no mercado futuro, além dos benefícios, os riscos também são igualmente alavancados. Para exemplificar a relação entre risco e retorno, vejam abaixo uma tabela com alguns cenários de uma operação comprada à 58.200 pontos.

Comprado no respectivo contrato a 58.200 pontos

Contrato Quant. Margem de Garantia Total Valor Relativo Total Lucro / Prejuízo
Cotação Sobe 1.000 Pontos Cotação Sobe 500 Pontos Cotação Cai 500 Pontos Cotação Cai 1.000 Pontos
INDZ12 5 R$ 51.290 (5 x R$ 10.258) R$ 291.000 (5 x R$ 58.200) +R$ 5.000 +R$ 2.500 -R$ 2.500 -R$ 5.000
WINZ12 1 R$ 2.052 (1 x R$ 2.052) R$ 11.640 (1 x R$ 11.640) +R$ 200 +R$ 100 -R$ 100 -R$ 200
WINZ12 5 R$ 10.260 (5 x R$ 2.052) R$ 58.200 (5 x R$ 11.640) +R$ 1.000 +R$ 500 -R$ 500 -R$ 1.000
WINZ12 10 R$ 20.520 (10 x R$ 2.052) R$ 116.400(10 x R$ 11.640) +R$ 2.000 +R$ 1.000 -R$ 1.000 -R$ 2.000
WINZ12 20 R$ 41.040 (20 x R$ 2.052) R$ 232.800(20 x R$ 11.640) +R$ 4.000 +R$ 2.000 -R$ 2.000 -R$ 4.000

Com os dados da tabela acima é possível ver que um investidor que comprou 5 mini-contratos e depositou R$ 10.260 como margem pode ganhar ou perder R$ 1.000 em um curto espaço de tempo. Um ganho ou perda de pouco menos de 10% em relação à margem depositada.

Isso é bem comum de ocorrer pois, considerando o ano de 2012, a oscilação média do Índice Futuro entre um pregão e outro tem sido de 660 pontos.

Como não morrer com a Alavancagem?

Se o risco é alavancado nas operações no mercado futuro, então é melhor ficar longe desse mercado?

Não é para tanto!

Para o investidor aproveitar o benefício da alavancagem ele também deve saber do risco. Ele deve sempre mensurar sua exposição ao risco e controlar o tamanho de sua posição em relação ao seu patrimônio.

Um conselho importante para os investidores que nunca operaram contratos futuros mas que gostariam de operar, e até mesmo para aqueles que já operam, é o de operar com parcimônia:

Começar pequeno e ir aumentando o volume conforme se familiariza com a dinâmica do mercado futuro, com seus ajustes diários, margem de garantia, alavancagem e oscilações diárias.

Por exemplo, um investidor com pouca experiência, que realiza poucas operações no mercado à vista, deve começar operando no mercado futuro com apenas um mini-contrato. Se o investidor já tem conhecimento do mercado à vista operando de maneira regular, mas nunca operou no mercado futuro, ele pode alocar entre 10% e 15% do valor destinado a ações para a margem de garantia e passar a também operar contratos futuros.

Conforme esses investidores forem conhecendo, ganhando experiência nas operações no mercado futuro e definindo sua maneira de atuação nesse mercado, eles podem aumentar a quantidade de contratos e conseqüentemente o nível de alavancagem.

Conclusão

A alavancagem é uma das características que diferencia o mercado futuro do mercado à vista. Permite ao investidor operar quantias acima do seu patrimônio. É fundamental conhecer esse conceito entendendo seus benefícios e nunca ignorando seu risco.

1R$ 20.000  ÷ R$ 2.052 = 9,74 → 9 mini-contratos → 9 x R$ 11.640 = R$ 104.760

André Cazelato

André Cazelato é economista formado pela Universidade de São Paulo (FEA/USP) e Certificado como analista de valores mobiliário (CNPI-T) pela Apimec. Dedica-se desde 2007 a acompanhar e a estudar o mercado financeiro elaborando metodologias, estratégias operacionais e Trading Systems. É o proprietário da consultoria CZ Trading System pela qual oferece diversas estratégias a seus clientes. Seu email para contato é cztradingsystem@gmail.com