5 Riscos das Ações Small Caps

Você já ouviu falar das ações small caps? Então leia com atenção:

Já percebeu que as ações de empresas grandes, como Petrobras (PETR4) e Vale (VALE5), são sempre escolhas comuns entre os investidores, e provavelmente para você também.

Afinal são empresas grandes, financeiramente estáveis e robustas, o que faz com que seja menor o risco de uma queda muito grande nos preços de suas ações. Porém, a probabilidade de um rápido e alto ganho também é remota.

E as empresas pequena?

O que são ações Small Caps?

acoes small capNo lado oposto das grandes empresas (as chamadas Large Caps) estão as pequenas e iniciantes no mercado: são as Small Caps.

Estas empresas em geral estão ingressando no mercado agora e podem ter um futuro brilhante pela frente: com alto crescimento e ótimo retorno aos seus acionistas. Sendo assim, investir em suas ações seria uma boa estratégia: muito potencial de crescimento dá muito espaço para você ganhar bastante dinheiro.

Mas e se a companhia escolhida não corresponder às expectativas de crescimento? E se as ações caírem drasticamente?

Bem nesse caso você perderia muito dinheiro…

Para evitar que isso aconteça, vale entender melhor os riscos associados à uma ação Small Cap antes de realizar seu investimento:

Os 5 riscos de uma ação small cap

É claro que o risco de se investir em uma boa empresa não depende muito de seu tamanho. Porém as empresas pequenas possuem alguns fatores que são desvantagens em relação às empresas grandes.

Vamos falar sobre os principais riscos, que você deve analisar bem antes de resolver comprar ações Small Cap:

1. Baixa Liquidez

Imagine que você tem um terreno que valorizou 3.000% no últimos anos, mas na hora de vender, descobre que ninguém está interessado em um sítio isolado à mais de 500 km da cidade mais próxima.

Esse é o problema da liquidez, se não há pessoas interessadas em comprar o que você está vendendo, você pode ser forçado a vender por menos do que aquilo vale, ou simplesmente não conseguir vender.

Algumas empresas listadas na Bovespa apesar de terem um valor de mercado relativamente alto possuem poucos casos de negociações de suas ações ao longo de um dia. Isso pode complicar sua situação caso deseje se desfazer daquele investimento, especialmente se estiver negociando uma grande quantidade de ações.

Como evitar:

No entanto, contornar este problema é fácil. Veja qual é o volume diário negociado de ações da empresa antes de investir.

Como? É fácil:

Acesse a plataforma gráfica e utilize o Indicador “Volume”. Este indicador mostra o Volume financeiro negociado em cada período:

A Paranapanema (PMAM3) tem uma média diária de aproximadamente R$ 800.000, o que é OK para um pequeno investidor:

gráfico PMAM3

Já a Ideias Net tem um Volume médio inferior a R$ 200.000 por dia. Isso pode fazer o investidor ser penalizado caso queira se desfazer de R$ 15.000 por exemplo, já que isso seria mais que  7% do volume diário.

IDNT3 gráfico

2. Má Precificação

Como as empresas nascentes  ainda possuem suas operações pouco estabelecidas e em expansão, na maioria das vezes é difícil precificar corretamente o real valor destas empresas.

Imagine uma empresa que obteve R$ 50 milhões de faturamento em um ano e R$ 150 no ano seguinte. Podemos dizer que n próximo ano seu faturamento será novamente 3x maior? Ou será novamente R$ 150.000 maior?? Ou cairá pela metade???

Impossível afirmar com a devida certeza.

Como evitar:

A forma para resolver este problema de incerteza é exigir um maior retorno sobre os papéis de uma companhia nestas condições:

A. Estabeleça quanto que você precisaria ter de retorno para estar confortável em correr estes riscos. 10%, 15%, 20%, é você quem vai definir pois o dinheiro é seu e você deve respeitar seu perfil de investidor.

B. Compare os diferentes indicadores fundamentalistas da empresa com outras empresas listadas na bolsa, tanto com empresas do mesmo setor quanto com empresas grandes. O preço está compatível com o maior risco?

3. Pouca Cobertura de Analistas

Atualmente existem 452 empresas listadas na Bovespa e cada uma delas com mais de uma ação (preferenciais e ordinárias). Como você deve imaginar não há analistas o suficiente para cobrir com a devida atenção cada uma delas. É extremamente comum que somente uma parte das empresas, principalmente as Large Caps, tenham a devida cobertura pelos analistas de mercado.

Veja a sua corretora de valores por exemplo, quantas empresas eles cobrem?

Como evitar:

Por mais que a empresa small cap não tenha uma cobertura de analistas bem feita, muitas delas (as boas principalmente) contornam isso criando uma excelente área de Relações com investidores em seu próprio website. Antes de investir, veja se a empresa é uma dessas que mostra preocupação com seus investidores.

A Mills (MILS3) é uma small cap, que não costuma ser alvo de relatórios emitidos pelos analistas, porém possuem um ótimo site de Relação com Investidores:

MILS3

4. Pode ser um Mico

“Micos” são  as empresas que estão na pior. Em geral em liquidação judicial, em vias de falência ou até pior do que isso. Quando uma empresa chega nessa situação é comum que os investidores já nem queiram vender suas ações porque já perderam tanto dinheiro que “pior que está não dá pra ficar“.

É uma situação triste e  complicada, que com certeza o melhor a fazer é evita-la.

Como evitar:

Neste caso felizmente é fácil de identificar quais são os micos. Evite empresas que as ações não valem quase nada (alguns centavos) ou que tiveram uma perda de valor muito grande nos últimos meses (alguém ouviu OGXP3?).

Nada impede que essas empresas possam se recuperar ou que algum outro milagre possa acontecer, mas não aposte seu dinheiro nisso. Há coisas melhores para fazer com ele.

Veja o triste histórico da Parmalat (MILK11)

Gráfico MILK11

5. Incertezas Operacionais

Como qualquer empresa mais nova, ainda é incerto se as operações estão saudáveis, se é possível crescer rapidamente, etc.

Dificilmente você vai conseguir prever se algum problema irá ocorrer e isso faz parte de todo negócio, seja grande ou pequeno.

Como evitar:

No entanto algumas das coisas que você deve ficar atento são:

  • Tamanho de Mercado: existe demanda o suficiente para a empresa crescer?
  • Competidores: contra quem a empresa está competindo? Os competidores são eficientes, são empresas nacionais, são grandes, etc?
  • Administração: quem cuida desta empresa? O time de gestores possui algum histórico de sucesso? Foi esse time que fez a empresa crescer nos últimos anos??
  • Geração de Caixa: a empresa gera caixa para financiar suas atividades ou é altamente dependente de empréstimos e capital externo? Momentos ruins da economia podem impactar duplamente sobre as operações da empresa.

Mais dicas úteis podem ser encontradas no ebook gratuito: Como Investir Para Ganhar Dinheiro

Vantagens de investir em small caps

ações small cap bovespa

Como tudo na bolsa de valores, existem os dois lados da moeda: investir em ações small caps também pode ser um bom negócio e muito lucrativo.

Como eu não quero desmotivar ninguém, vejamos agora algumas vantagens dessas ações:

Alto potencial de crescimento

Em geral essas empresas apresentam negócios inovadores ou atuam em setores que ainda não estão consolidados, o que consequentemente oferece um crescimento bastante elevado.

Má precificação

Sim, a má precificação é uma vantagem do mesmo modo que é uma desvantagem.

Por conta de todas as incertezas associadas a empresas small caps, existem diversos casos em que ações ficaram anos com um preço bastante abaixo do seu valor patrimonial.

Potenciais alvos de aquisições

Empresas menores são alvos fáceis para aquisição pelos concorrentes ou até por fusões com suas competidoras. Quando esta operação ocorre é extremamente comum que os preços das ações tenham uma forte alta, uma vez que a união gera diversos ganhos de escala nas operações da empresa além de maior poder de mercado.

O Índice Bovespa Small Cap

Um bom indicador para avaliar o desempenho das ações small cap é o índice SMLL.

Entre os outros diversos índices da Bovespa, este é o responsável por agrupar as diferentes empresas consideradas Small Cap e avaliar seu desempenho.

Você pode ver o peso e as empresas que compões esse índice nesta área do site da Bovespa.

Conclusão

Investir em ações small cap pode ser uma boa ideia, desde que você faça a lição de casa e consiga separar as empresas que realmente interessam.

Com as dicas que dei aqui você já tem um bom embasamento para começar, mas lembre-se de que cada empresa tem suas particularidade que também devem ser estudadas e compreendidas.

Agora queria saber de você, já investiu em alguma empresa small cap? Como foi??

Diego Wawrzeniak (@diegowrz) é autor do Guia do Imposto de Renda na Bolsa. Trabalhou no mercado financeiro e é economista pela FGV. Além de finanças, também é apaixonado por empreendedorismo, inovação e conversar com outros investidores.

  • Lucas

    Legal o post Diego, gostaria saber como determinou o valor no caso de vender as ações que não ultrapasse dos 7% do volume diário. Este é um parâmetro em que classifica sendo ações de baixa liquidez ou não.

  • Valmir Silva

    Quais passos iniciais eu devo dar, para começar a investir diretamente, e a partir de quanto em espécie eu necessito para começar a investir? (mil reais dá para começar?)
    Há algum tutorial para iniciantes?
    Eu quero muito, pegar pelo menos 10% da minha pouca poupança, e começar a arriscar os primeiros passos em papeis, já que levo em conta o conselho, de jamais se deve investir toda sua poupança, para não amargar perda de patrimônio, que no caso de pequenos como eu, seria desastroso para mim.
    Pode me passar algumas dicas iniciais?
    Desde Já Obrigado.

  • Edward

    Esclarecimento ao Mercado

    A 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a decisão que responsabiliza a Gafisa S/A por dívidas de mais de 50 milhões de sua antecessora, a Cimob Companhia Imobiliária S/A (“Cimob”, atual denominação social da Gafisa Imobiliária S/A). O colegiado, por unanimidade, considerou que não há como rever o entendimento de primeira e segunda instâncias que aplicaram a “desconsideração inversa da personalidade jurídica” contra a Cimob Companhia Imobiliária para atingir e penhorar bens da Gafisa S/A, por indícios de fraude. Em uma tentativa de fraudar os seus credores, os ativos líquidos da Cimob haviam sido reduzidos com a incorporação da Gafisa S/A.

    A Gafisa S/A falta com transparência em sua Demonstração Financeira Anual 2013 ao dizer, na pagina 86, que “a Companhia foi citada como sucessora em ações de execução em que a devedora original é uma antiga acionista da Companhia Cimob Companhia Imobiliária (“Cimob”)” […] e “que não pode ser responsabilizada por uma dívida de uma empresa que não tem qualquer ligação com a Gafisa. A decisão final do apelo da Companhia, no entanto, não pode ser prevista neste momento.”

    A falta de transparência ora apontada na Demonstração Financeira Anual 2013 é constatável mediante o exame do julgamento do Recurso Especial 1.096.319 pelo STJ, contra o qual não cabe mais recurso. Nele se confirmou anterior decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo segundo a qual: “Pelos fatos expostos, se verifica que há uma relação negocial muito intensa envolvendo a empresa agravante, Gafisa S/A e as demais empresas objeto da presente execução, havendo assim indícios de que ‘A Gafisa S.A. foi, de fato e de direito, constituída como projeção das próprias devedoras’, como afirma a agravada (fls. 836).” (Fonte: INFORMAÇÃO EXTRAÍDA DO SÍTIO OFICIAL DO TTIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO, Agravo de Instrumento nº 9038558-78.2006.8.26.0000).

    Ademais, o STJ, ao julgar o Recurso Especial 109.631-9, já exarou entendimento de que as decisões proferidas pelo juízo originário onde se reconhece aplicável o artigo 50 do código civil não podem ser revistas por aquela corte, ante a vedação imposta pela Súmula 5 e 7 daquele tribunal.

    De outro lado, o mesmo STJ já expressamente autorizou a inclusão da Gafisa S/A no cadastro nacional de inadimplentes, isto devido a existência de processo judicial contra ela, em fase de execução. Este Acórdão transitou e julgado em 13/08/2013 (REsp 1.035.060 SP).

    Não somente as decisões acima responsabilizam a Gafisa S/A por dívidas da Cimob, como também serviram de precedente para diversas outras de casos semelhantes.

    0113343-28.2010.8.26.0000 Agravo de Instrumento Relator(a): João Carlos Garcia Comarca: São Paulo Órgão julgador: 9ª Câmara de Direito Privado Data do julgamento: 10/08/2010 Data de registro: 21/09/2010 Outros números: 990101133431 Ementa: Agravo de Instrumento – Pedido de desconsideração da personalidade jurídica entre sociedades do mesmo grupo (ClMOB/GAFISA) – Pleito indeferido – Decisão agravada pelos exeqüentes na ação de indenização que movem em face da agravada – Sucessivas alterações societárias que sinalizam para a constituição de nova e próspera sociedade em detrimento da antiga, sobre a qual recaem as pendências judiciais – Nítida intenção de
    frustrar a satisfação de crédi tos pendentes – Promiscuidade societária e patrimonial vislumbrada – Aplicação do art. 28, § 5o, CDC – Decisão reformada – Agravo provido.

    0087023-38.2010.8.26.0000 Agravo de Instrumento Relator(a): Percival Nogueira Comarca: São Paulo Órgão julgador: 6ª Câmara de Direito Privado Data do julgamento: 24/06/2010 Data de registro: 05/07/2010 Outros números: 990100870238 Ementa: CUMPRIMENTO DE SENTENÇA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA – GRUPO GAFISA – Extensão dos efeitos da execução à sociedade integrante do mesmo grupo empresarial – Confusão patrimonial e manobras societárias inviabilizam a satisfação do crédito – Cobrança de multa compensatória – Precedentes da Corte – Decisão mantida -Agravo desprovido.

    (entre outros)

  • Licka Kleiton

    Bacana Diego, tenho interesse no ramo e estou me aprofundando sobre o assunto e o seus artigos tem ajudado muito.. abraços.

    • Que bom que está ajudando você Licka! Seja sempre bem vinda por aqui.
      Abraços